Entrevista

Guedes diz querer “privatizar todas as estatais” e aponta que novo imposto pode arrecadar até R$ 150 bi

Segundo o ministro destacou em entrevista ao Valor, o presidente Jair Bolsonaro apoia a privatização e cobra o secretário de desestatização, Salim Mattar, para que os processos aconteçam

Paulo Guedes
(Marcos Corrêa/PR)

SÃO PAULO – Paulo Guedes, ministro da Economia, destacou em entrevista ao jornal Valor Econômico que quer privatizar todas as empresas estatais. Segundo
ele, sua obrigação é fazer o diagnóstico e apresentá-lo para que o Congresso decida.

Segundo o ministro, o presidente Jair Bolsonaro apoia a privatização e cobra o secretário de desestatização, Salim Mattar, para que os processos aconteçam.

Guedes apontou ainda que quer um “fast track” para a venda e concessão de estatais. E, em vez de tratar uma a uma, ele fará a lista das empresas públicas a serem alienadas, que submeterá ao presidente.

PUBLICIDADE

Assim, o ministro sugeriu a criação do PAP – Programa de Aceleração das Privatizações. “Ao invés de levarmos as empresas privatizáveis uma a uma ao TCU, vamos pegar a lista de estatais e levar ao presidente da República. Aprovadas as que ele quer privatizar, enviaremos ao TCU e encaminharemos um projeto de lei ao Congresso para incluir a lista aprovada no programa de desestatização.”

Vale ressaltar que, na sexta-feira, o ministro voltou a defender a privatização da Petrobras, mas disse que o assunto é “mais complexo” e será visto “mais à frente”. “Por mim, acho que devemos privatizar todas as estatais”, afirmou Guedes, ressaltando que os “monopólios” da Petrobras atrasaram a exploração e produção de petróleo no País.

Entre outros assuntos, Guedes também apontou que o governo vai dar na direção de uma nova política fiscal e uma nova federação. “Vamos desindexar, desvincular e desobrigar todas as despesas de todos os entes federativos”, disse, acrescentando que o governo está “mexendo em tudo ao mesmo tempo. É uma transformação sistêmica”.

Segundo o ministro, o novo pacto federativo tem várias dimensões, cujas partes serão levadas ao Senado. De um lado há a reforma tributária, que vai complementar o Imposto sobre Transações Financeiras, o IVA-Dual e a redução de alíquotas de Imposto de Renda.

Ele ainda destacou que vai propor a criação do Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) que, a depender da alíquota, pode arrecadar até R$ 150 bilhões por ano. “[O ITF] é feio, é chato, mas arrecadou bem e por isso durou 13 anos”, fazendo referência ao tempo em que vigorou a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Guedes pretende criar o ITF para desonerar a contribuição sobre a folha de pagamentos.

Quer saber o que esperar da política nos próximos meses? Insira seu e-mail abaixo e receba, com exclusividade, o Barômetro do Poder – um resumo das projeções dos principais analistas políticos do país: