Votação da denúncia

Governo Temer se diz pronto para o “dia D”, enquanto oposição discute estratégia

Grande questão é o quórum para a votação da denúncia contra Temer na próxima quarta-feira

arrow_forwardMais sobre

(Bloomberg) — O Palácio do Planalto estima que entre 270 a 280 parlamentares aliados darão presença na sessão plenária da próxima quarta-feira para votar a denúncia contra o presidente Michel Temer, disseram à Bloomberg seis auxiliares presidenciais e deputados próximos ao governo, sob condição de anonimato.

  • *Expectativa é que, entre esses, estejam a maioria dos 12 ministros que têm mandato de deputado.
  • * Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, só abrirá a votação com o
    mínimo de 342 parlamentares presentes na sessão, mas nem governo, nem posição tem esse quórum.
  • * Aliados de Temer no Congresso estão responsabilizando a oposição por uma eventual não votação da denúncia na próxima quarta-feira. Mas, faltando de 62 a 72 deputados para garantir quórum, a responsabilidade é também dos partidos que apoiam Temer.
  • ** “Cabe a oposição, que quer a queda do presidente, dar quórum
    para a votação”, disse um dos vice-líderes do governo, deputado
    Carlos Marun (PMDB-MS). Ele reconheceu, no entanto, que se não
    houvesse dissidência na base seria fácil atingir o quórum e
    votar a denúncia na próxima quarta-feira.
  • * A oposição, por sua vez, marcou almoço entre as bancadas na
    véspera da votação para tentar superar divergências de
    estratégia:
  • ** O PCdoB é a favor de dar quórum para iniciar a sessão e votar
    a favor da denúncia contra Temer, segundo a assessoria do
    partido.
  • ** O líder do Psol, Glauber Braga também defenderá a ideia de
    comparecer ao plenário para votar.
  • ** A expectativa dele é que a base do governo se fragmente na
    hora em que a votação abrir: “Tem que se contar com o imponderável. Numa transmissão realizada ao vivo, o processo de pressão sobre os parlamentares se dá em tempo real”, disse Braga.
  • * Já o deputado Alessandro Molon (Rede) sugere tentar esvaziar a
    sessão. “Só devemos registrar presença quando um quórum alto
    estiver garantido”, afirmou.
  • * O líder do PT, Carlos Zarattini, disse que a estratégia do partido será definida após a reunião com representantes de
    outras bancadas.
  • * NOTA: Partidos adversários de Temer somam 99 votos de um total
    de 513.
  • ** Há ainda o PSB, que era aliado, rompeu com o governo, mas
    mantém Fernando Coelho Filho como ministro de Minas e Energia;
    essa bancada, de 36 deputados, está dividida.
  • ** A base aliada é de cerca de 400 deputados, mas a denúncia de
    corrupção criou dissidências.
  • ** A principal delas no PSDB, considerado o mais importante
    aliado do presidente e fiador de seu governo, enquanto outros
    seis aliados, PMDB, PP, PSD, PR, PRB e PTB, fecharam questão a
    favor de Temer e pelo arquivamento.

Esta matéria foi publicada em tempo realapara assinantes do serviço BloombergaProfessional.