Instituto Paraná

Governo Temer é desaprovado por 55%; 84% veem erro em escolha de ministros investigados

Pesquisa encomendada pela revista Veja mostra manutenção de pessimismo da maioria dos entrevistados com a recuperação da economia brasileira sob nova gestão

SÃO PAULO – Pouco mais de um mês após assumir interinamente a presidência da República, o governo Michel Temer é desaprovado por 55,4% dos brasileiros, segundo levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas nesta semana, encomendado pelo site da revista Veja. A pesquisa foi concluída antes da revelação integral do conteúdo da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, pela operação Lava Jato. O ex-senador afirmou que o peemedebista havia participado da negociação para uso de propina pela Queiroz Galvão na campanha de Gabriel Chalita para a prefeitura de São Paulo em 2012.

De acordo com o levantamento, o primeiro mês de gestão de Temer contou com a aprovação de 36,2% dos entrevistados, enquanto 8,3% não souberam responder ou não opinaram. Para 52,7%, o desempenho do peemedebista é igual ao esperado, ao passo que 23,3% acham que ele vai pior e 18,6%, acima das expectativas. As mulheres ainda são o principal foco da desaprovação do atual governo: 59,1% de rejeição contra 51,5% entre os homens. O índice é mais elevado no Nordeste (64,7%) e menor entre idosos (41,4%) e moradores da região Sul (44,2%) do país.

Quando o assunto é economia, para 44,6% dos entrevistados, o afastamento de Dilma Rousseff da presidência não deve trazer mudanças no cenário de recessão e alta no desemprego. Já 33,2% acreditam que a economia melhorará, e 19,3% esperam uma degradação. Na comparação entre as duas gestões, 48,8% acham que a administração peemedebista tem sido igual à da petista, enquanto 28,9% veem melhora com Temer e 16,9%, com Dilma.

PUBLICIDADE

Sobre o processo de impeachment, 66,7% dizem não considerar o episódio como um golpe contra a democracia, ao passo que 29,5% acreditam nesta leitura. Para 53,5%, Temer conseguirá concluir o mandato, enquanto 40,3% acreditam que será afastado do cargo antes. A pesquisa foi realizada entre 11 e 14 de junho, com 2.004 eleitores, em 162 cidades e 24 estados brasileiros. A margem máxima de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Ainda de acordo com o levantamento feito pelo Instituto Paraná Pesquisas, a nomeação de ministros investigados pela Lava Jato é amplamente reprovada pelos brasileiros. Para 84,1% dos entrevistados, os políticos envolvidos na operação não deveriam ter sido nomeados, enquanto 12,6% responderam que eles podem atuar como ministros até que sejam condenados pela Justiça. Na avaliação de 74,4%, a corrupção do governo permaneceu como estava com a chegada de Temer, enquanto 11,8% acreditam que ela caiu com o afastamento de Dilma e 9,6% veem crescimento na prática de ilícitos.