Governo japonês irá tentar acordo com pessoas contaminadas por hepatite C

Pessoas que foram contaminadas com o vírus pelo uso de produtos farmacêuticos contaminados terão assistência do governo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O primeiro ministro do Japão, Yasuo Fukuda irá instruir, nesta sexta-feira (2), todos os ministros para realizar uma revisão das leis e políticas japonesas, a fim de garantir que a falsificação de informações em produtos como alimentos e materiais de construção não volte a ocorrer.

O governo também irá buscar acordo extrajudiciais com pessoas contaminadas pelo vírus da hepatite devido a produtos com sangue infectado.

Fukuda pretende revisar as leis durante o próximo ano parlamentar, começando em janeiro próximo.

PUBLICIDADE

A medida visa evitar que escândalos como os das empresas Akafuku Co., que alterava as datas dos alimentos, voltem a se repetir.

Infectados pelo vírus da hepatite

Cerca de 170 pessoas estão processando o governo japonês por terem adquirido o vírus da hepatite C pelo uso de produtos contaminados. As indenizações pedidas totalizam ¥ 10,6 bilhões, que deverão ser pagos pelo governo e pelas empresas farmacêuticas que comercializaram os produtos com sangue contaminado.

O ministro da Saúde e Bem-Estar, Yoichi Masuzoe, irá discutir com várias agências maneiras de auxiliar as pessoas que foram infectadas pelo vírus da hepatite pelo uso de produtos contaminados.

Uma das propostas do ministro é aumentar para cem mil o número de pacientes que recebem os remédios para tratamento da doença.

A ajuda seria dada por sete anos e custaria entre ¥ 100 bilhões e ¥ 200 bilhões.