RADAR INFOMONEY Após onda de protestos, mercado reage ao assassinato de homem negro em loja do Carrefour; entenda o caso

Após onda de protestos, mercado reage ao assassinato de homem negro em loja do Carrefour; entenda o caso

Segundo Estadão

Governo indica aumento de cortes com mira em cargos de confiança e estatais, diz jornal

Executivo atenderia assim a pedido da Cúpula do Congresso, que defende um corte mais profundo nas despesas para conseguir apoio para aprovar a nova CPMF

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, o governo indicou aos parlamentares que poderá fazer ainda mais cortes de despesas durante negociações da proposta de Orçamento de 2016 no Congresso Nacional.

Este deve ser o principal tema da reunião que acontece nesta sexta-feira no Palácio do Planalto. Hoje, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, cancelou a viagem que faria nesta sexta-feira a São Paulo para participar de reunião com o ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Nelson Barbosa (Planejamento).

Segundo a Casa Civil, os ministros participam de reunião. Eles formam a Junta Orçamentária, que vem lutando para convencer o Congresso Nacional a aprovar as medidas de ajuste fiscal anunciadas nesta semana para tentar melhorar as contas públicas do país.

Aprenda a investir na bolsa

Um dos alvos é cortar os cargos em confiança, atendendo a pedido da Cúpula do Congresso, que defende um corte mais profundo nas despesas para conseguir apoio para aprovar a nova CPMF com recursos garantidos para a Previdência. A presidente Dilma Rousseff anunciou o corte de 1 mil do total de 22,5 mil cargos em comissão. A economia com essa medida será mínima, de R$ 200 milhões, mas teria um efeito simbólico para os parlamentares. 

Segundo o jornal, apesar das resistências a alta de impostos, o clima da reunião de ontem não foi de confronto e, na avaliação de uma liderança parlamentar, foi a primeira vez que Levy e Barbosa pareciam afinados. Eles também deram indicações de que poderá haver mudança nas estatais, como enxugar estruturas, o que seria visto como um sinal positivo para mostrar disposição do Executivo de “cortar na carne”.