Segundo Folha

Governo fica perplexo com derrota no TSE; STF vê “fragilidade sem precedente” de Dilma

Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a "cozinha do governo" foi pega de surpresa com a maioria pró-investigação, apesar da ministra Luciana Lóssio ter pedido vista da ação - adiando a decisão final mais uma vez

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e o Palácio do Planalto ficaram “perplexos” diante da abertura da ação de cassação de mandato contra Dilma Rousseff e o seu vice presidente Michel Temer pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo

Em um julgamento que contou com bate-boca, os ministros Luiz Fux e Henrique Neves, do TSE, se manifestaram na última terça-feira (25) a favor da continuidade de uma ação apresentada pelo PSDB que pede que os mandatos da presidente Dilma Rousseff e seu vice-presidente, Michel Temer, sejam impugnados. Com os votos, formou-se a maioria de quatro ministros dentre os sete da Corte que são favoráveis à continuidade da ação.

Os ministros do STF que não atuam na Justiça Eleitoral avaliaram que a fragilidade política de Dilma é “sem precedentes”. Segundo a coluna, a “cozinha do governo” foi pega de surpresa com a maioria pró-investigação, apesar da ministra Luciana Lóssio ter pedido vista da ação – adiando a decisão final mais uma vez. 

Aprenda a investir na bolsa

Além disso, informa a coluna, o pedido de Henrique Neves para antecipar seu voto mesmo com o pedido de prazo enfureceu o entorno de Dilma. O ministro estava em campanha ostensiva para ser reconduzido ao TSE há pouco tempo.

As primeiras providências a serem tomadas após a abertura da ação é solicitar material da Operação Lava Jato, de onde poderiam vir provas de crimes eleitorais de Dilma. 

A ação aberta pelo PSDB no TSE alega abuso de poder econômico e afirma que propinas oriundas do esquema de corrupção na Petrobras podem ter sido misturadas às doações oficiais. No voto pela abertura da investigação em meados de agosto, o ministro Gilmar Mendes afirmou que é preciso esclarecer se houve lavagem de dinheiro de propina no esquema da Petrobras por meio de doação eleitoral e já pediu à Procuradoria Geral da República e à Polícia Federal que as contas da campanha à reeleição de Dilma fossem investigadas.