Energia

Governo faz esforço para estabilizar setor elétrico, diz Dilma

Presidente ressaltou ainda que o crescimento do Brasil não se opõe ao cumprimento das melhores práticas ambientais

Aprenda a investir na bolsa

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (17) que o Brasil fez um grande esforço para estabilizar o setor elétrico, e assim evitar racionamentos, e que a energia elétrica também é um fator de competitividade para o país seguir crescendo.

Ao inaugurar uma usina hidrelétrica em Estreito, a presidente ressaltou ainda que o crescimento do Brasil não se opõe ao cumprimento das melhores práticas ambientais.

“Estamos diante de uma das melhores práticas ambientias na área de energia, que é uma área extremamente desafiadora, que é energia hidrelétrica”, afirmou Dilma.

Aprenda a investir na bolsa

Segundo Dilma o esforço para estabilizar o setor, com as melhores práticas de segurança, passa necessariamente por uma cooperação entre o setor público e o setor privado.

Implantado no rio Tocantins, na divisa do Maranhão e Tocantins, o empreendimento faz parte do PAC2 (Programa de Aceleração do Crescimento). Segundo o Ceste (Consórcio Estreito Energia), responsável pela construção, foram investidos mais de R$ 5 bilhões na implantação da usina, com capacidade instalada de 1.087 MW, suficiente para abastecer uma cidade com 4 milhões de habitantes.

No discurso, Dilma lembrou ainda da universalização do acesso à eletricidade no país e disse que, ao mesmo tempo que se investe numa obra dessa envergadura, é preciso combater a desigualdade, garantindo oportunidades à população.

“Por isso, aqui hoje estamos, eu diria, na encruzilhada que mostra que isso é possível. Que é possível crescer e distribuir renda, que é preciso manter austeridade e ao mesmo tempo investir, que é possível manter os empregos, mesmo quando a crise bate forte no mundo e nos atinge de alguma forma”, afirmou.

No mês passado, o governo anunciou um plano de redução média das tarifas de energia para os consumidores a partir do ano que vem, condicionando a renovação antecipada das concessões ao desconto, nas tarifas, dos investimentos já amortizados.