Governo dos EUA sinaliza ampliação dos incentivos para impulsionar economia

Casa Branca diz que Bush não descarta um aumento nos US$ 150 bilhões destinados ao programa de estímulos fiscais

SÃO PAULO – O presidente norte-americano, George W. Bush, não descarta um aumento nos US$ 150 bilhões destinados ao pacote de estímulos fiscais para impulsionar a economia e enfrentar os temores de recessão, revelou a Casa Branca nesta terça-feira (22).

A percepção do mercado é a de que o programa não será capaz de evitar uma recessão. Desde o seu lançamento na semana passada, a resposta nas bolsas é negativa. Na véspera, sem a referência de Wall Street em função do feriado, a bolsa de Frankfurt sofreu sua maior queda desde 2001, e os mercados da Ásia e do Brasil amargaram perdas expressivas.

A sinalização de um pacote maior vem no dia em que foi realizada mais uma ação para combater o temor de recessão. As bolsas dos EUA não reagiram com ganhos diante da atuação emergencial do Federal Reserve, que reduziu a taxa básica de juro em 75 pontos-base, levando-a para 3,5% ao ano, o menor patamar desde 9 de agosto de 2005.

Velocidade

PUBLICIDADE

O secretário do Tesouro, Henry Paulson, aprovou a decisão do Fed e pediu velocidade no Congresso para aprovação das medidas anunciadas por Bush. “Precisamos fazer alguma coisa agora, porque os riscos de curto prazo são claramente adversos”, avalia.