Vai funcionar?

Governo Dilma tem “recaída” e volta à era Mantega com medidas para socorrer economia

Assim como em 2012, novas medidas foram anunciadas para recorrer o setor automotivo usando bancos públicos - o que não agradou o mercado

SÃO PAULO –  “Eleição nova, governo novo, equipe nova”, disse a presidente Dilma Rousseff no dia 4 de setembro de 2014, um mês antes do primeiro turno das eleições presidenciais.

A frase foi pronunciada em resposta a um questionamento sobre se mudanças em ministérios seriam realizadas caso ela fosse reeleita, o que foi sinalizado por muitos que o ministro Guido Mantega, que ocupava a Fazenda, sairia do governo. Com isso, as sinalizações eram de que, mesmo se a presidente fosse reeleita, a política econômica iria mudar. 

Dito e feito. Apesar da presidente ter tentado desfazer o mal estar provocado pela sua fala, o ministro Mantega, que sempre foi muito criticado por suas políticas intervencionistas no governo Dilma I, passou a ser tratado como demissionário e a grande questão que guiou os mercados passou a ser quem seria o novo ministro, provavelmente mais pró-mercado.

PUBLICIDADE

Em novembro, após Dilma ter sido eleita e depois de muito suspense, foi anunciado que o novo ministro seria Joaquim Levy, dando indicações de que a política econômica iria mudar e o governo passaria a intervir menos no mercado. A “nova matriz econômica” deu lugar as indicações de que haveria medidas mais pró-mercado mas, oito meses depois, o “espírito” Guido Mantega voltou para socorrer setores em meio ao cenário de crise econômica. 

Agora, em agosto, em um gesto de boa-vontade com os empresários, que levaram cerca de 50 empresários à Brasília para conter o aumento de impostos, a presidente ordenou aos bancos oficiais conceder créditos subsidiados às empresas. “A primeira beneficiada deve ser a indústria automobilística. A decisão, em linhas gerais, é do mesmo figurino de Mantega, ação muito criticada por Joaquim Levy quando assumiu a Fazenda”, conforme destaca o blog do InfoMoney Primeiras Leituras desta quarta-feira. 

O Banco do Brasil (BBAS3) anunciou que antecipará a fornecedores da cadeia automotiva R$ 3,1 bilhões até o final deste ano no âmbito do protocolo firmado com o segmento e que contempla 26 empresas. Além disso, a instituição anunciou ainda que, a partir da ampliação de acordos do gênero, pretende alcançar 500 empresas com desembolso de aproximadamente R$ 9 bilhões de diversos setores produtivos como cooperativas, incorporadoras e grandes empresas exportadoras. Em um dia negativo para a Bolsa, o BB vê seus papéis caírem ainda mais (cerca de 5%) que o Ibovespa.

Além do BB, a Caixa Econômica Federal também firmou convênio com a Anfavea, o Sindipeças e a Fenabrave para apoiar o setor automotivo. A expectativa do banco é liberar aproximadamente R$ 5 bilhões até o fim de 2015 em linhas de capital de giro e de investimento com juros mais baixos e prazos maiores às empresas do segmento.

As medidas se assemelham às tomadas com o foco no setor industrial tomadas pelo governo em 2012, no auge do intervencionismo realizado pelo primeiro mandato do governo Dilma. Em meio à fraqueza da atividade industrial durante todo o ano, o governo atuou de diversas formas através da elevação de impostos de importação, redução de tributos internos, anúncio de pacotes de investimento e até mesmo através da desvalorização do dólar para que o setor tivesse um melhor desempenho. 

Relembre: de bancos ao setor de energia: veja as medidas tomadas pelo governo em 2012

PUBLICIDADE

Dentre as diversas medidas tomadas pelo governo, estiveram os anúncios de desoneração da folha de pagamento (que está sendo revista agora, com o governo em busca da “reoneração como uma das medidas para promover o ajuste fiscal) pelo governo no início de março.

O Banco Central também foi utilizado para promover a indústria em 2012. O BC reduziu compulsórios e liberou R$ 18 bilhões para novas operações de crédito, cujo destino seria o financiamento de automóveis e de veículos comerciais leves. No mesmo período, foram anunciadas ainda a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para certas categorias de veículos, de modo a evitar demissões no setor produtivo, como afirmou Mantega. As medidas de estímulo culminaram com a compra de uma série de equipamentos e bens de capital pelo governo para estimular a indústria e alavancar o crescimento da economia no valor total de R$ 4,83 bilhões como parte do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), além de prorrogar a redução do IPI para diversos produtos e de outras ações que implicam uma renúncia final de cerca de R$ 5,5 bilhões

Voltando para 2015, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou que as novas linhas de crédito abertas pelo BB e pela Caixa ao setor automotivo, que podem ser estendidos a outros, não afetam o ajuste fiscal e não oferecem riscos. Porém, as medidas não repercutiram bem no mercado, em meio às indicações de que o governo volta a usar banco público contra a recessão.

Com relação aos bancos públicos, a sensação é de contrassenso, apesar de agentes do governo indicarem que a medida vem para contribuir com alívio ao setor produtivo”, avaliam os analistas da Concórdia Corretora destacando que, novamente, o BB deve ser o mais impactado.

Assim, em meio à crise que deve levar o PIB, o governo volta a usar os bancos públicos contra a recessão. O pacote foi feito justamente após a Fierj e a Firjan, duas das maiores identidades industriais do País, terem divulgado apoio público à governabilidade, enquanto Confederações como a CNI (Indústria), CNA (Agricultura e Pecuária) e CNT (Transportes) preparam um manifesto contra o impeachment de Dilma e a favor de um pacto pela governabilidade.  Mas não é só isso.

Além disso, em um gesto para a população e sob pressão política, o governo voltou atrás e fez o Ministério da Fazenda manter o adiamento de metade do 13º salário aos aposentados e pensionistas. O pagamento havia sido suspenso pelo ministério com o argumento de falta de fluxo de caixa para bancar a despesa. Assim, o “espírito de Mantega” parece ter rondado de novo o governo da presidente.