AO VIVO Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Quem está certo?

Governo corta projeção do PIB, mas ainda está 2 vezes mais otimista que mercado

Ainda segundo o ministério do Planejamento, também cresceu a projeção de receita primária líquida em R$ 714,5 milhões em comparação com expectativas anteriores

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Caiu de 2,5% para 1,8% a estimativa de crescimento econômico feita do governo para este ano. De acordo com o 3º relatório bimestral de reprogramação orçamentária, divulgado pelo Ministério do Planejamento nesta terça-feira (22), também foram alteradas as expectativas com relação à inflação, com as projeções para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) crescendo de 5,6% para 6,2% em 2014. Já com relação ao câmbio médio, as expectativas foram mantidas em R$ 2,29 no período.

Apesar da significativa revisão de cenário, o governo segue muito mais otimista que a grande maioria dos especialistas do mercado financeiro, com expectativas de que a alta do PIB (Produto Interno Bruto) não chegue nem a 1%. Na última segunda-feira (21), o tradicional boletim Focus mostrou revisão pela 8ª vez seguida da mediana dos economistas consultados pelo Banco Central sobre o PIB do ano, de 1,05% na semana anterior para 0,97%.

Ainda segundo o relatório do ministério do Planejamento, também cresceu a projeção de receita primária líquida de R$ 714,5 milhões em comparação com as expectativas feitas no segundo bimestre, “resultante da combinação de queda nas projeções dos Impostos de Importação, IR e COFINS, parcialmente compensada pelo aumento verificado nas Outras Receitas Administradas pela RFB”.

PUBLICIDADE

Também do lado das receitas, vale destacar que foram incorporadas projeções de receitas no montante de R$ 2,0 bilhões, referentes ao pagamento de bônus de assinatura, relativo à contratação direta da Petrobras (PETR3; PETR4) para produção do volume excedente ao contratado áreas do pré-sal. O governo também aumentou suas projeções de despesas obrigatórias em R$ 714,5 milhões, de acordo com o mesmo relatório.