Crise nos estados

Governo busca plano emergencial para estados falidos, afirmam jornais

Plano do governo é negociar novo projeto com governadores e Congresso em janeiro, para que ele seja votado em fevereiro, após o recesso do Legislativo

Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — Presidente Michel Temer pediu à equipe econômica que encontre outra maneira de socorrer no curto prazo os estados em situação de insolvência depois da sanção com vetos ao regime de recuperação fiscal, diz Folha de S.Paulo sem revelar como obteve a informação.

  • O Globo diz, sem revelar como obteve a informação, que Temer pediu sugestões emergenciais à equipe econômica até a próxima semana
    • Técnicos do Ministério da Fazenda avaliam que o governo não tem muitas opções, uma vez que não está disposto a tomar medidas drásticas por decreto, diz O Globo, citando um técnico não identificado da equipe econômica
    • Tanto a área econômica do governo como o Palácio do Planalto asseguraram nesta quarta-feira que as ações em estudo não estão fechadas e, portanto, não há o que antecipar
  • Plano do governo é negociar novo projeto com governadores e Congresso em janeiro, para que ele seja votado em fevereiro, após o recesso do Legislativo, diz a Folha
    • Planalto sabe que há o risco de o Congresso derrubar o veto presidencial, mas avaliou que o pior seria assinar uma lei que daria um cheque em branco aos estados, segundo a Folha
    • Equipe econômica já negocia com Rodrigo Maia, pres. da Câmara, a tramitação do novo projeto, segundo o Painel da Folha
  • NOTA: Diário Oficial da União desta quinta-feira traz sanção com vetos do presidente Temer ao projeto de renegociação das dívidas dos estados
  • Veto foi visto como uma espécie de mensagem da equipe econômica e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a governadores e parlamentares avisando que o dinheiro fácil acabou, diz Coluna do Estadão
  • NOTA: Sem contrapartidas, PL não resolve situação de estado, disse Meirelles em entrevista ao Jornal Nacional
  • NOTA: Fazenda avalia que o novo projeto a ser enviado ao Congresso não pode ter teor muito diferente do anterior, disse à Bloomberg uma fonte com conhecimento do assunto que pediu anonimato porque discussões não são públicas
    • Novo projeto que governo enviará para tentar ajudar contas estaduais precisa ser por meio de Projeto de Lei Complementar

 

 

Esta matéria foi publicada em tempo realapara assinantes do serviço BloombergaProfessional.

Aprenda a investir na bolsa