Adiou ou não?

Governo batendo cabeça? Temer e Meirelles desmentem Jucá sobre adiamento da reforma

Declaração de senador pegou cúpula do governo de surpresa e diversos políticos foram à público falar que não há nada decidido

(Brasília, DF 15/12/2016) Presidente Michel Temer durante discurso do Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em entrevista coletiva para anuncio do pacote de medidas econômicas. Foto: Beto Barata/PR
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A anúncio nesta quarta-feira (13) do líder do governo do Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), do adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro de 2018 surpreendeu integrantes do governo, incluindo o próprio presidente Michel Temer, que desmentiu o acordo.

Em nota, o Palácio do Planalto informou que Temer ainda definirá com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), a data da votação. Segundo a colunista do G1 Andréia Sadi, o anúncio de Jucá irritou a cúpula do Planalto. 

Na avaliação de governistas, Jucá “queimou a largada” porque o governo se esforçava para anunciar o adiamento somente na próxima semana. O objetivo era sinalizar ao mercado que tentou a votação até a véspera do recesso, afirma Sadi.

Aprenda a investir na bolsa

Outro que também se pronunciou foi o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que disse que não houve decisão do governo em votar a reforma da Previdência somente em fevereiro de 2018. Segundo ele, o anúncio do senador é uma “opinião”.

“O senador Romero Jucá, inclusive acabei de falar com ele, expressou a sua opinião de que ele acha isso uma solução viável e possível que ocorra. Evidentemente que isso não é uma decisão ainda. Continuamos trabalhando e temos como objetivo votar o mais rápido possível. Se possível ainda, de fato, na semana que vem”, disse.

“A opinião dada pelo senador é respeitável, ele é um líder, de fato, de muita experiência e de muito bom senso. Deu a opinião, mas evidentemente que ele não está na Câmara. É uma opinião válida que será levada em conta, mas não há essa decisão no momento”, acrescentou.

Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que irá conversar com o presidente Temer na quinta para avaliar se colocará em votação a reforma. “Estou esperando o presidente voltar para que eu possa entender se o governo tem os números necessários para votar a Previdência já na semana que vem”, disse ele a repórteres.

Confira a nota do Planalto na íntegra:

Nota à imprensa

PUBLICIDADE

13/12/2017 – 19h

Após passar por procedimento cirúrgico em São Paulo na tarde de hoje, o presidente Michel Temer retornará a Brasília nesta quinta-feira (14), com liberação da equipe médica que o acompanha.

Ele espera ainda para amanhã a leitura da emenda aglutinativa do deputado Arthur Maia sobre a reforma da Previdência.

Somente depois disso, o presidente discutirá com os presidentes do Senado Federal, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a data de votação da proposta.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República