Contas públicas

Governo amplia bloqueio no Orçamento para R$ 14,8 bi; Saúde e Educação são os mais atingidos

Ministério da Economia disse que teve de contingenciar mais R$ 2,1 bi para cobrir despesas discricionárias ‘inadiáveis e relevantes’

Por  Estadão Conteúdo -

Uma semana depois de anunciar o corte necessário para ajustar o Orçamento de 2022 no 3º bimestre, o Ministério da Economia anunciou nesta sexta-feira (22) que teve que contingenciar mais R$ 2,1 bilhões para cobrir despesas discricionárias “inadiáveis e relevantes”.

Os ministérios da Saúde e da Educação são os mais atingidos, e os gastos “inadiáveis e relevantes” incluem créditos para o próprio Ministério da Economia cobrir serviços de tecnologia da informações, despesas de seguro rural e do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Em uma atitude incomum, o Ministério da Economia se negou a detalhar o quanto foi bloqueado por pasta e nem das emendas de relator no 3º bimestre. No início da noite, divulgou uma tabela apenas com o contingenciamento total do ano (que, segundo a pasta, já soma R$ 14,838 bilhões).

De acordo com a tabela, o contingenciamento no ano chega a R$ 2,7 bilhões para a Saúde (16% do total previsto) e a R$ 1,6 bilhão para a Educação (8%). As pastas têm os dois maiores orçamentos do governo federal.

Em entrevista coletiva na segunda-feira (25), o secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago, disse que é “natural” que o contingenciamento seja maior para Saúde e Educação porque são maiores orçamentos do governo.

Um decreto de programação orçamentária e financeira, que trouxe o novo contingenciamento, foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União. A medida visa adequar o Orçamento ao teto de gastos, regra que limita o crescimento dos gastos à inflação do ano anterior.

Tesourada maior

Na sexta-feira passada (22), a equipe econômica havia divulgado queiaserá necessário um corte adicional de R$ 6,739 bilhões.

Mas na prática a tesourada nos ministérios já precisaria ser maior, porque não foi aprovado no Congresso Nacional um projeto de lei que permitia manter bloqueado R$ 2,5 bilhões do Fundo de Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia (FNDCT).

Então, o governo teve que desbloquear esses recursos e cortar em outros lugares.

 

Compartilhe