Política

Gilberto Carvalho diz que vaias à Dilma não partiram só da “elite branca” e irrita PT

Para o partido, secretário geral da presidência deu munição aos adversários de Dilma Rousseff; líderes do PT afirmam respeitar, mas discordam da opinião de Carvalho

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As declarações feitas pelo secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, afirmando que os xingamentos a Dilma Rousseff na abertura da Copa do Mundo não vieram somente da “elite branca”, geraram mal estar dentro da cúúla do PT. 

“Me permitam, pessoal, no Itaquerão não tinha só elite branca não. Não fui pro jogo, mas estive ao lado [do Itaquerão], numa escola (…), fui e voltei de metrô. Não tinha só elite no metrô. Tinha muito moleque gritando palavrão dentro do metrô que não tinha nada a ver com elite branca”, afirmou Carvalho, em conversa com blogueiros.

Por outro lado, ele afirmou que as ofensas à presidente ocorreram em meio à falha do partido em combater os “ataques da mídia”. Para o partido, Carvalho deu munição aos adversários de Dilma. Eles criticam sobretudo a parte em que ele relacionou o governo a atos corruptos: “A coisa desceu. Isso foi gotejando, de água mole em pedra dura, esse cacete diário (da imprensa) de que inventamos a corrupção, de que nós aparelhamos o Estado brasileiro, de que somos um bando de aventureiros que veio aqui para se locupletar, essa história pegou. Na elite, na classe média, e vai gotejando, vai descendo. Porque não demos o combate, não conseguimos fazer o contraponto”, disse Carvalho.

Aprenda a investir na bolsa

 “Acho que a declaração do ministro está fora de propósito, porque os fatos falam por si”, afirmou o vice-presidente do PT José Guimarães (CE). Já o líder do PT na Câmara, Vicente Paula e Silva, o Vicentinho, afirmou respeitar a opinião de Gilberto, mas que discorda dele. “Quem estava lá não era o povo de Itaquera. Era o povo que não representa nem mesmo a população de São Paulo. Todo mundo sabe que o palavrão saiu de um setor bem pequeno”. 

(Com informações do Brasil 247 e da Agência Estado)