Julian Assange

Fundador do WikiLeaks diz que Temer forneceu inteligência política aos EUA em troca de apoio

No trecho divulgado, com duração de 56 segundos, não foram dados detalhes de quando os encontros teriam ocorrido, quais teriam sido as informações, nem quem foram os principais personagens envolvidos

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em entrevista exclusiva ao escritor Fernando Morais, o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, afirmou que o presidente Michel Temer teve reuniões privadas na embaixada americana para fornecer inteligência política, visando a construção de uma relação de apoio político. No trecho divulgado, com duração de 56 segundos, não foram dados detalhes de quando os encontros teriam ocorrido, quais teriam sido as informações, nem quem foram os principais personagens envolvidos. 

“Michel Temer teve reuniões privadas na embaixada americana para passar a eles questões de inteligência política a que não muitos tiveram acesso, discussões das dinâmicas políticas no Brasil. Isso não é para dizer que ele é um espião pago pelo governo americano. Eu não sei, não existem evidências de que ele seja um espião pago, em termos financeiros. Estamos falando de algo mais, de construir uma boa relação de forma a ter trocas de informação entre os lados e apoio político mais adiante”, afirmou Assange no trecho divulgado.

O WikiLeaks está no centro das acusações de seis agências de inteligência dos Estados Unidos, que atribui ao presidente russo Vladimir Putin envolvimento em uma campanha para desgastar as instituições do país. Conta o relatório de 25 páginas que a organização teve papel importante na estratégia, ao divulgar informações, segundo o documento, obtidas por meio de espionagem russa.

Aprenda a investir na bolsa

Em entrevista recente à rede norte-americana Fox, concedida na embaixada do Equador em Londres, onde está refugiado desde 2012, Assange reafirmou que a Rússia não estava por trás dos e-mails da candidata democrata derrotada Hillary Clinton vazados.