Ainda candidato?

Fora ou não do páreo? Informação de que Huck desistiu de candidatura é “cortina de fumaça”, diz jornal

Segundo Estadão, as informações de que o apresentador decidiu não disputar a eleição têm o objetivo de arrefecer a pressão em cima dele

SÃO PAULO – No mesmo dia em que a pesquisa Barômetro Político realizada pelo Instituto Ipsos mostrou que o apresentador de TV Luciano Huck tem 60% de aprovação, foi divulgada à tarde a informação de que o possível candidato à presidência para 2018 teria desistido do pleito. 

A afirmação foi feita pelo jornalista Gilberto Dimenstein e a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, confirmou a informação. Segundo eles, o apresentador comunicou a familiares e a amigos próximos que não pretende ser candidato. A Folha destaca que ele tem oscilado nos últimos dias entre se lançar ou não candidato e, se por um lado, ele tem um grande desejo de participar da vida política do país, pesa o fato de ter muito a perder caso se lance candidato, que prejudicaria seu programa na Globo e seus contratos publicitários.

Black Friday InfoMoney: sua única chance de comprar nossos cursos com 50% de desconto

PUBLICIDADE

Porém, segundo a Coluna do Estadão, as informações de que Huck decidiu não disputar a eleição têm o objetivo de arrefecer a pressão em cima dele, que aumentou após a pesquisa Ipsos, divulgada pelo jornal. Ou seja, uma cortina de fumaça.  A interlocutores, garante que o martelo ainda não foi batido, diz o jornal.

Segundo a publicação, o apresentador, desde julho, tem acesso a pesquisas mensais para avaliar a sua viabilidade eleitoral. E os dados revelam crescimento na intenção de voto no apresentador, que estuda se filiar ao PPS para disputar a eleição presidencial de 2018. Em julho, no pior cenário para ele, que inclui o ex-presidente Lula, Huck tinha 8%; hoje ele está com 11%. Sem o petista, o crescimento foi de 9% para 14%. A pesquisa mais recente  saiu nesta semana. Nela, Huck está em quarto lugar. No cenário sem Lula, ele empata com Marina Silva (Rede) em segundo lugar. Nesse caso, Bolsonaro aparece em primeiro.

Porém, aponta o jornal, o nome do apresentador  não é levado a sério na ala palaciana do PMDB. Acham que o eleitor é conservador e vai votar em alguém da política.