Em Comandatuba

FHC contraria líderes do PSDB e afirma que pedido de impeachment é precipitado

Perguntado sobre a possível abertura do processo de impeachment contra Dilma, FHC afirmou: "impeachment não pode ser tese" e também se mostrou contrário à redução da maioridade penal

SÃO PAULO – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso contrariou as posições de líderes do PSDB em alguns pontos, como o impeachment da presidente Dilma Rousseff e a redução da maioridade penal, durante o 14º Fórum de Comandatuba, na Bahia. As informações são dos jornais O Estado de S. Paulo, O Globo e El País.

Perguntado sobre a possível abertura do processo de impeachment contra Dilma, FHC afirmou: “impeachment não pode ser tese. Ou houve razão objetiva (para abrir) ou não houve. Quem diz se houve é a Justiça, o Tribunal de Contas, a polícia. Você não pode se antecipar a isso, transformar o seu eventual desejo de por um outro governo (no poder) em algo fora das regras da democracia. Isso é precipitação. Os partidos têm que esperar”.

E, ao ser perguntado se Dilma pode ser responsabilizada pelas “pedalas fiscais”, manobras de atraso nos repasses do Tesouro a bancos públicos para melhorar as contas públicas, o ex-presidente disse que “trata-se de especulação dizer que Dilma pode ser responsabilizada”.

PUBLICIDADE

O ex-presidente tucano ainda discordou de parlamentares como Ronaldo Caiado (DEM), defensor da extinção do PT. “O PT tem que coibir os abusos. Não é por isso que eu vou dizer que tem que fechar.”

FH ainda classificou como “jogada política” a decisão do PT de proibir doações de empresas a seus diretórios, na semana passada. “Depois de a porta arrombada, querem fechar a porta”. O PSDB, segundo ele, estuda limitar doações de pessoas jurídicas. Mas a discussão principal deveria ser sobre como tornar as campanhas políticas mais baratas.

Já a aprovação da lei que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos seria “arriscada”, segundo ele. A proposta foi defendida em 2014 por Aécio Neves em sua campanha à presidência no ano passado e é discutida no Congresso. Para FHC, o melhor seria dar ao juiz de cada caso a possibilidade de determinar se o menor de idade infrator deveria ser mantido sob custódia do Estado por mais ou menos tempo.

O ex-presidente também respondeu ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que afirmou que as pedaladas acontecem desde o governo FHC. Ele brincou: “eu não sei andar de bicicleta, como vou dar uma pedalada?”, completando, “eu duvido que tenha sido feito algo dessa magnitude no meu governo, e se foi, foi errado. Um erro não justifica o outro”.