Afago entre tucanos

FHC afirma que é Aécio “quem tem que resolver” os problemas do País

"Se o chefe do Executivo não se empenha, as coisas não andam, se não há agenda, as coisas não funcionam", afirmou o ex-presidente em evento do Instituto Teotônio Vilela;, em seguida, ele se voltou para Aécio com a frase: "quem tem que resolver tudo isso é o Aécio"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O PSDB e o Instituto Teotônio Vilela, ligado ao partido, realizaram encontro nesta segunda-feira (23) chamado “Caminhos para o Brasil – Meio Ambiente e Sustentabilidade”. Porém, a crise econômica e críticas ao governo do PT estiveram fortemente no radar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e do O Globo.

Durante encontro, em que estiveram presentes nomes como o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, o presidente do ITV, José Aníbal, e Fernando Henrique Cardoso, o ex-presidente da República criticou a falta de uma agenda para tirar o Brasil da crise política e econômica atual. 

“Se o chefe do Executivo não se empenha, as coisas não andam, se não há agenda, as coisas não funcionam”. Logo em seguida, o ex-presidente se virou para Aécio, que estava sentado ao seu lado, e afirmou: “quem tem que resolver tudo isso é o Aécio”, referindo-se à sucessão da presidente Dilma Rousseff.

Aprenda a investir na bolsa

Cabe lembrar que o governador paulista, Geraldo Alckmin, que é cotado como candidato do PSDB para a presidência em 2018, também compareceu ao evento mas, por questões de agenda, participou rapidamente da abertura do seminário e saiu antes da fala de FHC sobre Aécio.

O ex-presidente ainda afirmou que a crise política é maior que a econômica: “não sou tão pessimista assim, temos uma base econômica e tecnológica que permite vislumbrar um futuro maior. A condução política é que é o problema, muito maior do que a economia.”

E, para ele, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), renunciaria se “tivesse visão de Brasil”. “O presidente da Câmara não tem mais condições morais e políticas de continuar exercendo o cargo. Se ele tivesse um pouco mais de visão de Brasil ele renunciaria. Não tendo, ele vai ter que ser renunciado”.

Sobre políticas energéticas, FHC afirmou que elas precisam de revisão no Brasil. ”O  Brasil apostou muito da sua matriz energética no combustível fóssil, enquanto outros países marcharam em outra direção, mais sustentável”, disse. 

Já Aécio afirmou que o governo deve  tratar a questão sustentável acima das tensões políticas. “Esse é sim um tema que deve unir o Brasil”, lembrando a tragédia de Mariana (MG), com o rompimento de duas barragens da mineradora Samarco. “O que nós estamos vendo nessas áreas é uma tragédia cotidiana. Além dos problemas ambientais, o problema social é também de enorme dimensão. Um novo ciclo econômico deveria ser iniciado para substituir a atividade de mineração nessas regiões”, afirmou.

O senador também criticou o governo e falou que a oposição vai “ajudar a enxergar uma luz no fim do túnel”. “Podem ter certeza que o maior partido de oposição, o PSDB, vai contribuir de forma vigorosa para que, pelo menos, possamos enxergar a luz no fim do túnel”.

PUBLICIDADE

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir:

 

Leia também:

Você investe pelo banco? Curso gratuito mostra como até dobrar o retorno de suas aplicações