Sem rodeios

Feldman: “Brasil viveu um período extraordinário e Dilma conseguiu retroceder em quatro anos”

Coordenador da campanha presidencial de Marina Silva sinalizou que a ex-senadora pensou desde o primeiro momento em apoiar a candidatura de Aécio; ele pontuou que o tucano cedeu na questão da redução da maioridade penal.

Aprenda a investir na bolsa

São Paulo – Após Marina Silva, candidata do PSB derrotada na eleição presidencial, anunciar apoio à candidatura de Aécio Neves, do PSDB, no segundo turno, Walter Feldman, coordenador da campanha da ex-senadora, fez duras críticas à gestão de Dilma Rousseff, do PT.

“Brasil viveu um período extraordinário, de estabilidade econômica e avanço social, e Dilma conseguiu retroceder em quatro anos”, destacou Feldman, acrescentando que a aliança com Aécio leva o tucano a estabelecer um compromisso mais consistente com a sociedade “depois desse governo desastrado que foi comandado por Dilma”.

A demora de Marina para oficializar o apoio ao candidato tucano também foi explicada pelo porta-voz da Rede Sustentabilidade, projeto de partido político criado por Marina.

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com ele, estava sendo construído um apoio com base no conteúdo programático sem nada em troca do ponto de vista pessoal ou programático. “Nós apenas entregamos o documento que era base do nosso programa e esperamos que eles tivessem a sensibilidade de construir a base daquilo que sinalizaria esse novo momento. Foi um processo complexo, mas que permitiu que fizéssemos um apoio de forma qualificada, não é um apoio eleitoral”.

Feldman sinalizou que a ex-senadora pensou desde o primeiro momento em apoiar a candidatura de Aécio. “A aliança demorou porque era um processo complexo. Se vocês tivessem acompanhado, pensariam que haveria um recuo, haveria uma vacilação que nunca houve”. Ele acrescentou que contribuiu para a demora do anúncio o fato de uma parte da Rede optar pelo voto nulo, “em função da rejeição a polarização nefasta”.

Aécio cedeu na questão da redução da maioridade penal

Feldman afirmou ainda que não houve uma conversa sobre a redução da maioridade penal entre Marina e Aécio, mas que o tucano cedeu em alguns pontos do seu programa.

“A cessão está no texto do Aécio, onde ele coloca que nós temos que pensar muito mais em política inclusivas do que em políticas punitivas”.