CPI da Petrobras

Família diz que suspeita de Janene estar vivo é absurda e reclama de desrespeito

A viúva rechaçou a hipótese de Janene estar vivo, reclamou de desrespeito com a família e negou ter conversado com os parlamentares da CPI

SÃO PAULO – Diante da repercussão da fala do presidente da CPI da Petrobras (PETR3;PETR4), Hugo Motta (PMDB-PB) de que poderia pedir a exumação do corpo do ex-deputado José Janene (PP-PR), morto em 2010, a víuva do ex-parlamentar Stael Fernanda Janene se manifestou. 

A viúva rechaçou a hipótese de Janene estar vivo, reclamou de desrespeito com a família e negou ter conversado com os parlamentares da CPI.

“Em momento algum procurei ou fui procurada por qualquer deputado dizendo o que colocaram em minha boca, principalmente no que tange a respeito de minha suposta desconfiança sobre a morte do pai de meus filhos. Jamais fiz isso, e nem poderia, pois fui eu mesma em companhia de meus filhos e das filhas dele, que recebi seu corpo na mesquita muçulmana aqui em Londrina. Ao contrário do que leio de que seu corpo estaria em caixão lacrado, não havia caixão algum, pois seu enterro se deu sob os costumes muçulmanos onde nem ao menos existe um caixão, quanto mais, lacrado (…) Não posso deixar de me pronunciar neste momento, por entender ser um erro e uma maldade desumana que farão aos meus filhos, suas filhas e a toda comunidade muçulmana, se vierem a Londrina para um exumação despropositada para fins políticos”.

PUBLICIDADE

A viúva reafirmou que a morte ocorreu no Incor de São Paulo, foi registrada em cartório e seu atestado foi assinado por “um médico nacionalmente conhecido”. Janene morreu em 2010 e era portador de uma cardiopatia grave.

A família de Janene afirmou que a intenção de exumar o corpo é “uma forma de criar fatos bobos” e que desvirtua o propósito investigativo da comissão. Para a família, a informação é falsa, absurda e agride a família do deputado. 

Motta, após a manifestação da viúva, disse que pretende conversar com ela antes de seguir com o pedido de exumação: “Vamos ouvir a senhora Stael para fazer os esclarecimentos, as denúncias de contas no exterior e acredito que, nesta oportunidade, vamos tratar de exumação”.