Lava Jato

“Falta pouco”: oposição diz que prisão de Dirceu aproxima investigação de Dilma e Lula

Líderes da oposição relacionam prisão de Dirceu com os petistas e Mendonça Filho chamou o partido de "organização criminosa"

SÃO PAULO – Em tom de comemoração, líderes da oposição destacaram a prisão de José Dirceu na manhã desta segunda-feira (3) e ressaltaram que este fato faz com que as investigações da Operação Lava Jato se aproximem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, além dos principais líderes do PT.

O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), insinuou em nota que “falta pouco agora” para as investigações chegarem a Lula e Dilma. “Temos que aplaudir essa mais nova etapa da Lava Jato, que não se restringe a intermediários e finalmente começa a chegar aos cabeças pensantes, elaboradores de todo esse esquema corrupto alimentado por “pixulecos” dentro do Palácio do Planalto. Falta pouco agora”, disse.

Na nota, Caiado culpa Lula e Dilma por implantarem “esse método sujo que coloca em risco a nossa jovem democracia”.”Com mais essa prisão do ex-ministro José Dirceu, fica claro que Lula e Dilma levaram para a política nacional o que há de pior em alguns sindicatos do ABC”, afirmou.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, o presidente do partido, o senador Agripino Maia (RN), afirmou em nota que a prisão de Dirceu “deixa clara a ligação entre os escândalos do mensalão e do petrolão como práticas do governo petista”. “Os fatos agora tornados públicos poderão finalmente chegar ao andar de cima. A hora é de apoiar as investigações e confiar na isenção das instituições”, disse ele.

Já para para o senador Aloysio Nunes (SP), vice-líder do PSDB no Senado, os fundamentos usados para prender José Dirceu deveriam influenciar, pelo menos, uma investigação contra o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff.

“Se a justificativa é que ele [Dirceu] contribuiu para formar o esquema da Petrobras, essa mesma se prestaria também, pelo menos, à abertura de uma investigação contra Lula e Dilma. Ele não montou isso sozinho. Havia um presidente da República e uma chefe da Casa Civil”, afirmou o tucano.

Por fim, o líder democrata na Câmara, Mendonça Filho (PE), diz que essa fase da Lava Jato inaugura o início das investigações contra o núcleo político do esquema, e que atingirá principalmente o PT. “O Dirceu foi o grande mentor do projeto de poder do PT e a prisão de hoje agrava ainda mais o quadro político já delicado do partido”, disse.

Mendonça se refere ao PT como uma “organização criminosa”. “É triste para o Brasil ver que foi dominado por uma organização criminosa, com aval da cúpula de um dos principais partidos da história da República”, completou.