Política

Executiva diz que comprou “vacas superfaturadas” de empresa de ministro do Esporte

O esquema da compra superfaturada seria para "gerar dinheiro em espécie" para a empreiteira Carioca Engenharia

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em um acordo de leniência na Operação Lava Jato, a matemática Tania Maria Silva Fontenelle, ligada à Carioca Engenharia, afirmou que comprou “vacas superfaturadas” da empresa Agrobilara Comércio e Participações Ltda, que pertence à família de Leonardo Picciani, ministro dos Esportes do atual governo. O esquema seria para “gerar dinheiro em espécie” para a empreiteira.

Além de Leonardo, Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Rio, e Rafael Picciani – deputado estadual, secretário de coordenação de Governo da Prefeitura do Rio -, também são controladores da Agrobilara. Fontenelle disse que “recebia solicitações de acionistas e diretores da Carioca Engenharia para providenciar dinheiro em espécie e assim procedia”.

“Simplesmente atendia as solicitações de obter dinheiro em espécie e entregava a quem fazia a solicitação ou a pessoas da empresa por eles indicadas”, declarou. Ela ainda disse que “para gerar tais recursos em espécie, quando eram solicitados, a declarante utilizava a contratação de outras empresas prestadoras de serviços, celebrando contratos simulados”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PUBLICIDADE