Diz Folha

Ex-presidente do BC, Armínio Fraga foi sugerido a Obama para liderar o Fed

Revelação foi feita pelo ex-secretário do Tesouro dos EUA Timothy Geithner, em seu livro recém-lançado e que teceu elogios ao ex-presidente do Banco Central do Brasil

SÃO PAULO – Apontado como uma das “cabeças” por trás do programa econômico do pré-candidato à presidência Aécio Neves, Armínio Fraga já foi indicado por uma importante autoridade norte-americana para presidir o Federal Reserve.

Timothy Geithner, ex-secretário do Tesouro dos EUA, sugeriu ao presidente norte-americano Barack Obama o nome do brasileiro para presidir o Fed, conforme aponta a Folha de S. Paulo. A publicação cita o livro recém-lançado de Geithner, “Stress Test – Reflexões sobre Crises Financeiras”, em que Geithner chama Fraga, ex-presidente do Banco Central do Brasil durante o governo FHC, de “confiável e competente” e de líder notável.

Geithner lembra da crise financeira global de 1998, que levou à queda do real e que, depois de uma tentativa inicial de manter a moeda brasileira em paridade com o dólar, “uma liderança econômica soberba conseguiu dar a volta por cima”. Geithner escreveu ainda, aponta o jornal, que “Armínio Fraga, que também possui cidadania norte-americana, foi tão notável que mais tarde eu o mencionei ao presidente Obama como um potencial presidente do Fed”, destacou. 

PUBLICIDADE

Economista experiente e bastante renomado, Armínio Fraga foi presidente do Banco Central entre 1 de março de 1999 e 17 de janeiro de 2002, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Atualmente, Fraga administra bilhões através da Gávea Investimentos. Antes de passar pelo governo, o economista teve uma sólida carreira na iniciativa privada, sendo diretor-gerente da Soros Fund Management em Nova York entre 1993 e 1998. 

O economista também trabalhou na Salomon Brothers em Nova York e no Banco de Investimentos Garantia, no Brasil, além de ser diretor de Assuntos Internacionais do BC. Além disso, ele foi integrante do conselho de administração do Unibanco e presidente do Conselho de Administração da BM&FBovespa.