Rio de Janeiro

Ex-governador Sérgio Cabral é preso em nova fase da Operação Lava Jato

A decisão foi tomada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, sob a acusação de cobrança de propina em contratos com o poder público

SÃO PAULO – A Polícia Federal prendeu o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral na manhã desta quinta-feira (17) em mais uma fase da Operação Lava Jato. Além dele, foram expedidos outros mandados de prisão e conduções coercitivas. A decisão foi tomada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, sob a acusação de cobrança de propina em contratos com o poder público.

Além de Cabral, Wagner Jordão Garcia também já foi preso nesta manhã. Ao todo, a polícia visa cumprir 38 mandados de busca e apreensão, 8 de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 14 conduções coercitivas, dentre eles, um contra a ex-primeira-dama do Estado Adriana Anselmo.

São investigados os crimes de pertencimento à organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, entre outros. A operação foi batizada de “Calicute”, região da Índia onde o descobridor do Brasil, Pedro Álvarez Cabral, teve uma de suas maiores tormentas.

Cabral e os outros acusados são suspeitos de receber propina em troca da concessão de obras públicas como a reforma do Maracanã e a construção do Arco Metropolitano. A ação surgiu a partir da delação homologada de executivos da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia.

De acordo com os ex-executivos da Andrade Gutierrez Rogério Nora de Sá e Clóvis Peixoto Primo, Cabral cobrou pagamento de 5% do valor total do contrato para permitir que a construtora se associasse à Odebrecht e à Delta, no consórcio que disputaria a reforma do Maracanã, em 2009.