Chances aumentaram

Eurasia eleva chance de impeachment de Dilma de 80% para 90% e estima 61 votos

Já as chances do presidente interino Michel Temer não terminar o mandato caíram de 25% para 20%, caso o impeachment se confirme em agosto

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em relatório, a consultoria de risco político Eurasia Group elevou a chance do impeachment da presidente Dilma Rousseff de 80% para 90%. O placar do impeachment conta com 61 votos favoráveis de senadores, bem acima dos 54 necessários, disse a consultoria em relatório divulgado hoje.

Já as chances do presidente interino Michel Temer não terminar o mandato caíram de 25% para 20%, caso o impeachment se confirme em agosto. A equipe da consultoria ressalta que as nomeações feitas por Temer para cargos de administração e sinais de possível recuperação econômica reforçam a possibilidade de impeachment. 

Contudo, avalia, as investigações da Lava Jato continuarão representando risco
para Temer se seu governo se tornar permanente, mas estão perdendo a força.

Aprenda a investir na bolsa

A consultoria reforça que a equipe de Temer tem feito incursões no Senado no último mês. Em maio, 55 senadores votaram por afastar a presidente Dilma Rousseff, enquanto são necessários 54 votos para a saída definitiva da petista. Porém, três ou quatro senadores se abstiveram e não votaram e que já apontariam para 58 votos pró-impeachment, na realidade. Hoje, o Palácio do Planalto avalia que há 61 votos a favor da saída de Dilma – o que a Eurasia avalia como crível dadas as suas próprias consultas no Senado. O governo converteu dois votos de senadores do PMDB contra o impeachment, de Eduardo Braga e João Alberto Souza. Já o senador Walter Pinheiro, que saiu do PT e votou contra o impeachment, licenciou-se do Senado e foi substituído por Roberto Muniz, do PP, partidário da saída de Dilma. 

“Enquanto Muniz está dando sinais confusos sobre como votará, os líderes partidários sugerem que pode haver outras deserções de quem votou contra o impeachment. Enquanto isso, os três senadores fizeram declarações de que seus votos podem mudar (Romário, Cristovam Buarque e Acir Gurgacz), parecem estar mais alinhados com o impeachment”, avalia a Eurasia.

Algumas coisas estão ajudando Temer a aumentar o voto pró-impeachment. O primeiro decorre da possibilidade de Temer oferecer nomeações na sua gestão aos senadores hesitantes. Além disso, crescentes sinais de que a economia está em um processo de recuperação, o que leva a um custo crescente de uma possível volta de Dilma. 

“Politicamente, enquanto a Operação Lava Jato atingiu a liderança do Senado do PMDB, ela continuou afetando o PT, em meio às alegações de que a campanha de Dilma recebeu dinheiro ilítico de empreiteiras. Com os custos econômicos de um retorno de Dilma Rousseff se acumulando e as condições políticas para que ela governe diminuindo, nem mesmo os líderes do PT acreditam que a votação do impeachment pode ser revertida”, avalia a Eurasia. 

Especificamente sobre a Lava Jato, o risco para Temer permanece e é provavelmente o único fator que poderia levar a uma virada de jogo, mas que diminui por uma simples razão de tempo.