Delação no radar?

“Eu quero falar, eu vou falar”: o que há por trás da fala bombástica de Cunha aos advogados?

Segundo jornal Valor, o ex-parlamentar, preso na quarta-feira, deu mais sinais de que irá falar (e que pode "arrebentar com parte do setor privado")

SÃO PAULO – O mundo político teve nesta manhã mais um motivo para se preocupar. Preso na última quarta-feira no âmbito da Operação Lava Jato, o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deu mais um sinal de que pretende fazer delação premiada.  “Eu quero falar, eu vou falar”, afirmou o ex-parlamentar para os seus advogados, segundo matéria do jornal Valor Econômico desta sexta-feira (21).

Cunha, aliás, contratou o advogado Marlus Arns, que já atua em acordos de delação premiada de empresários na Lava Jato, como Dalton Avancini, Eduardo Leite e Paulo Augusto Santos, da Camargo Corrêa, e do empresário João Bernardi Filho. Apesar do advogado dizer ao sair da sede da Polícia Federal em Curitiba, onde se encontrou com Cunha, que a delação não foi tema da conversa, as notícias sobre uma eventual delação ganham destaque. 

Segundo o Valor, a intenção inicial do peemedebista seria de depor sem fechar acordo de delação premiada com o MPF (Ministério Público Federal). Contudo, os defensores de Cunha alertaram para as implicações decorrentes da confissão fora de uma colaboração. Processado por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-deputado está sujeito à uma sentença que, em tese, pode ultrapassar 20 anos, caso o juiz federal Sergio Moro opte por condená-lo às penas máximas previstas pelos delitos a que responde.

PUBLICIDADE

Cunha, diz o jornal, já foi informado por seus advogados de uma exigência da qual o MPF não abre mão para começar a conversar sobre um eventual acordo, se houver interesse por parte dos procuradores: ele terá de concordar com o cumprimento de um período mínimo de três anos, em regime fechado, se de fato passar à condição de delator da Lava-Jato – e o acordo for homologado. Para os procuradores da República, o cumprimento de pena de reclusão tem caráter pedagógico, porque Cunha se tornaria um símbolo do que pode acontecer a políticos que se envolvam em corrupção. Os investigadores dispõem de documentos e extratos bancários, inclusive enviados pela Suíça, que consideram mais do que suficientes para manter Cunha atrás das grades. Agora, afirma uma das fontes ao jornal, Cunha quer preservar a família.

De acordo com a publicação, em momentos de explosão, ele disse repetidas vezes que quer entregar o que sabe sobre supostos ilícitos que envolveriam Moreira Franco, secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos e afirmou ainda que tem informações suficientes para “arrebentar com parte do setor privado”. 

Para o analista político da Barral M. Jorge, Juliano Griebeler, com o vazamento dessas declarações, Cunha busca colocar mais pressão sobre o governo e sobre os aliados que o traíram. neste sentido, a contratação de Arns é um claro indicativo de que ele quer dar a entender que buscará mesmo um acordo. Vale ressaltar que em 12 de setembro, quando Cunha teve seu cargo de deputado cassado na Câmara, apenas 10 deputados votaram para que ele mantivesse o cargo.

Além disso, Grieleber destaca ainda que, como a delação tem que reunir evidências e novas informações, a nova posição de Cunha pode fazer com que outros investigados e acusados tentem agilizar o seu processo de negociação para que eles não sejam invalidados. Isso porque, caso o ex-parlamentar mostre documentos mais contundentes e provas mais robustas, os acordos de outros delatores com o MPF podem não prosseguir mais.

Por enquanto, Brasília deve seguir em momentos de tensão, de olho nos próximos passos do ex-parlamentar.