Relato obtido pela Folha

“Eu não vou pagar pela merda dos outros”, disse Dilma, furiosa com a delação de Pessoa

Momento de irritação da presidente ocorreu durante reunião de emergência do último dia 26 de junho para discutir revelações do presidente da UTC no âmbito da Operação Lava Jato

SÃO PAULO – Com problemas por todos os lados, a presidente Dilma Rousseff, que já é conhecida por ter “pavio curto”, ficou furiosa com a suspeita sobre a sua campanha eleitoral de 2014, de acordo com relatos obtidos pela Folha de S. Paulo.

Uma demonstração da irritação da presidente ocorreu no dia 26 de junho, na biblioteca do Palácio da Alvorada, durante uma reunião convocada às pressas por Dilma para discutir as revelações do presidente da UTC, Ricardo Pessoa, no âmbito da Operação Lava Jato, que disse que pagou propina e fez doações eleitorais para facilitar seus negócios com a Petrobras. Pessoa doou R$ 7,5 milhões para a campanha de Dilma ano passado. 

Agitada, andando em círculos e gesticulando muito, a presidente olhou para os auxiliares e bradou, indignada: “não sou eu quem vai pagar por isso. Quem fez que pague”. Estavam presentes da reunião os ministros Aloizio Mercadante, da Casa Civil, Edinho Silva, da Comunicação Social, e José Eduardo Cardozo, da Justiça, além de Giles Azevedo, assessor especial de Dilma.

PUBLICIDADE

“Não devo nada para esse cara, sei da minha campanha”, afirmou, referindo-se a Ricardo Pessoa e, batendo com força a palma de uma mão na outra, continuou: “eu não vou pagar pela merda dos outros”. Porém, ela não disse a quem se referia (e ninguém achou ser conveniente perguntar). 

Em uma outra situação descrita pela reportagem, que obteve o relato da conversa com testemunhas do encontro e petistas que souberam o que ocorreu depois do acontecido, Dilma cobrou Cardozo por não ter impedido que as revelações viessem a público antes de sua visita oficial aos EUA, num momento em que a presidente buscava uma agenda positiva.

“Você não poderia ter pedido ao Teori [Zavascki] para aguardar quatro ou cinco dias para homologar a delação?” perguntou Dilma, referindo-se ao ministro que conduz os processos da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal). E continuou: “isso é uma agenda nacional, Cardozo, e você fodeu a minha viagem”. O ministro da Justiça tem sido cobrado por petistas por não controlar a Polícia Federal e, inclusive, já manifestou algumas vezes a intenção de sair do governo.