Estímulos às economias centrais favorecem países emergentes, dizem bancos

Analistas apontam que medidas de flexibilização monetária têm contribuído para crescimento de economias periféricas

SÃO PAULO – Analistas do Bank of America não veem sinais de bolha nos mercados emergentes, porém o fenômeno poderá ocorrer nos próximos anos, segundo relatório assinado por Ethan Harris.

Segundo o especialista, a pressão nos preços que está ocorrendo nos países emergentes é parcialmente causada pelas medidas de flexibilização monetária que vêm sendo tomadas nas economias centrais.

Capital fluindo para emergentes
Isso se dá uma vez que a injeção de capital aplicada nos países desenvolvidos acabam indo, consequentemente, para investimentos em economias que estão apresentando maior crescimento, segundo Harris. 

PUBLICIDADE

Contudo, ele reflete que, caso os países desenvolvidos abrissem mão de medidas de estímulo à economia como forma de combate ao fluxo de capital para os emergentes, o prejuízo seria ainda maior, dado que esta atitude sinalizaria a renúncia também da recuperação econômica.

Recomendações do FMI são positivas
Os analistas acreditam os países emergentes deveriam focar suas ações para a acumulação de reservas, o aperto da política fiscal e a a redução das taxas de juros, nas situações em que a inflação permitir – essas medidas vão as encontro das recomendações já indicadas pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Para Michael Gavin e Jose Wynne, analistas do Barclays, os títulos dos emergentes estão se valorizando rapidamente. Eles afimam que o “apetite para ativos de países emergentes é levado por forças cíclicas e estruturais, que ainda devem perdurar por algum tempo”. 

Títulos brasileiros são boa opção
Quanto ao Brasil, a dupla de analistas crê que são boas as perspectivas para as taxas de rentabilidade de títulos brasileiros, “apesar dos riscos de controle de capital no longo prazo”, completam.