Entrevista de Palocci não ajudou e ministro pode perder o cargo em breve

Analistas políticos dizem que Dilma se enfraquecerá caso o cargo seja mantido; semana é decisiva para desfecho do problema

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A vida de Antonio Palocci Filho no ministério da Casa Civil parece cada dia mais curta. A pressão política para que a presidente Dilma Rousseff o demita do cargo é grande e a sua insistência em mantê-lo pode custar caro. A semana que se inicia pode ser decisiva para o ministro.

Analistas políticos da MCM e da Rosenberg afirmam que a entrevista cedida pelo ministro à rede Globo não dissipou as dúvidas e não foi capaz de atenuar a sua situação. A denúncia de que Palocci Palocci teria multiplicado por vinte o seu patrimônio em um período de quatro anos mexeu com os ânimos do Governo, que agora já estuda uma alternativa para a Casa Civil.

Perdendo o apoio
Para a equipe da MCM, a situação de Palocci se agrava à medida que o petista vai perdendo o apoio de seu próprio partido político, que já não vê mais condições para a sua permanência no cargo. Embora Palocci vá sobrevivendo devido ao apreço que Lula tem por ele, isso não impedirá Dilma de demiti-lo do cargo, tamanha é a pressão no campo político. A própria consultoria avalia que em 2006 não houve impedimentos para que o próprio Lula, então presidente, o demitisse.

Aprenda a investir na bolsa

Na visão da Rosenberg, Dilma poderia perder sua “áurea de beatitude” caso insistisse na ideia de mantê-lo na posição. “Só mesmo se inventar a vacina contra o câncer poderá Palloci se livrar da defenestração”, coloca a consultoria.

Semana decisiva
Assim, a MCM avalia que esta é a semana decisiva para o ministro, já que na próxima quarta-feira (8) o Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, divulgará o seu parecer sobre o caso.  “Se a opinião for desfavorável, assunto encerrado, mas se Gurgel entender que não há indícios de ilegalidade na consultoria de Palocci talvez o ministro ganhe uma sobrevida”, afirma a equipe da consultoria.

A expectativa da Rosenberg para o desfecho do problema é que o cargo seja assumido por um gerente capaz, mas sem carisma, ainda mais em se tratando de Dilma Rousseff. Para a equipe da consultoria, é bem provável que algum outro ministro, como das Comunicações ou Planejamento, seja o escolhido para a Casa Civil.

“De todo modo, o destino de Palocci parece mesmo a saída do governo, pois, mais do que um problema legal, a crise é de fundo político”, finaliza a MCM.