Investigação

Empresário alvo da Operação Turbulência é encontrado morto em motel em Olinda

Paulo César é apontado como um dos testas de ferro do esquema de lavagem de dinheiro que abasteceu campanhas políticas e foi usado na compra do jatinho, cuja queda matou Eduardo Campos

SÃO PAULO – O empresário Paulo César de Barros Morato foi encontrado morto na noite desta quarta-feira (22), em um motel no bairro de Sapucaia, em Olinda, Região Metropolitana do Recife. As informações são da Polícia Federal. Morato era considerado foragido pela PF desde a terça-feira (21), quando foi deflagrada a Operação Turbulência, que apura propina para as campanhas eleitorais de Eduardo Campos.

Ele é apontado na Operação Turbulência como um dos testas de ferro do esquema de lavagem de dinheiro que desviou R$ 600 milhões a campanhas políticas e que foi usado na compra do jatinho Cessna PR-AFA, cuja queda, em 2014, matou o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que na época era candidato à Presidência da República.

Ainda não se sabe a causa da morte de Morato. A advogada do empresário, Marcela Moreira Lopes, informou ao G1 que ele já havia tentado suicídio anteriormente.

PUBLICIDADE

De acordo com um funcionário do motel ouvido pela Agência Brasil que pediu para não ser identificado, o empresário entrou no local por volta de 11h40. A equipe do estabelecimento começou a suspeitar de que algo estava errado por causa da demora em sair, porque as ligações feitas para o quarto não eram atendidas e por um mau cheiro vindo de dentro do local. A Polícia Militar foi chamada e arrombou a porta, encontrado Morato sem vida na cama. O funcionário relatou ainda que ele vestia calça jeans e estava sem camisa e que não havia marcas de sangue visíveis.

A Polícia Civil faz a investigação do caso, que só será repassada à Polícia Federal caso seja encontrada alguma relação entre a morte e a investigação. Ele constava desde a última terça-feira na lista de foragidos da Interpol.

A Operação Turbulência reuniu indícios de um esquema criminoso que envolve contas bancárias de 18 pessoas físicas e jurídicas, a maior parte delas empresas de pequeno porte, muitas de fachada, que movimentavam valores milionários entre si e para terceiros com o objetivo de lavar dinheiro de atividades ilegais.

Segundo as investigações, Morato se apresentava como dono da empresa Câmara e Vasconcelos Locações e Terraplenajem, apontada como de fachada pela Operação Turbulência. A organização foi uma das compradoras do avião usado por Campos na campanha presidencial. A mesma empresa recebeu mais de R$ 18 milhões da empreiteira OAS, proveniente de pagamento por serviços de locação e terraplanagem que teriam sido realizados nas obras de Transposição do Rio São Francisco.

Na terça-feira, a PF cumpriu quatro das cinco prisões preventivas decretadas na operação: Apolo Santana Vieira, Eduardo Freire Bezerra Leite e João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, líderes da organização, e Arthur Roberto Lapa Rosal, investigado com testa de ferro do grupo, assim como Morato.