RADAR INFOMONEY Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Emenda no projeto Ficha Limpa gera polêmica entre parlamentares

Substituição de expressões cria confusão jurídica sobre início da aplicação da inegibilidade de políticos condenados na Justiça

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Aprovado na última quarta-feira (19) pelo Senado, o projeto Ficha Limpa pode gerar questionamentos tanto no Supremo Tribunal Federal como no Tribunal Superior Eleitoral (STF) – parlamentares criticaram a emenda votada por senadores que permite a aplicação da inegibilidade somente para processos que se iniciem depois da sanção da lei.

No trecho sobre a concessão do registro, a expressão “os que tenham sido condenados” foi substituída por “os que forem condenados”, criando uma confusão jurídica. O deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP) chegou a considerar uma eventual anulação da votação do Senado apenas do trecho do projeto, que segundo ele, muda o mérito da proposta.

Aprenda a investir na bolsa

O autor da emenda, senador Francisco Dornelles (PP-RJ), explicou que executou o ajuste visando uniformizar a redação do texto, que em algumas partes do projeto fala sobre os que já foram condenados e, em outras, sobre os que serão condenados.

O projeto já seguiu para a sanção do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Todavia, na opinião do presidente em exercício da Câmara, Marco Maia, dificilmente a proposta terá validade para este processo eleitoral, já que os prováveis prejudicados pela lei ingressarão na Justiça para garantir o direito de disputar a eleição. “Nós não podemos mudar a regra do jogo tão em cima do início da partida”, afirmou Maia.