Parabéns, mas...

Em vídeos, Aécio diz que permanece firme na oposição e Marina fala sobre “País dividido”

Aécio e Marina criticam campanha de "mentiras e infâmias" de Dilma; a terceira colocada na disputa parabeniza Dilma, mas diz que ela adotará medidas que criticou durante a campanha

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em dois vídeos que foram divulgados na noite de ontem (28), Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB) se manifestaram sobre o resultado das eleições, em que Dilma Rousseff (PT) se sagrou vencedora com 51,6% dos votos válidos. 

Aécio agradeceu aos 51.041.155 brasileiros que, segundo ele, “votaram a favor da mudança”, destacando que dedicou todas as forças à oportunidade de construir um novo Brasil. “Juntos, enfrentamos uma campanha desigual. Uma campanha de mentiras e infâmias. Uma campanha em que a máquina pública foi colocada a serviço de um partido, afrontando todos os brasileiros”, afirmou.

“Apesar de tudo isso, tenho imenso orgulho de cada um de vocês e do que, juntos, construímos nos últimos meses. O Brasil despertou. Ocupamos as ruas com alegria e esperança. Descobrimos que somos muitos. Que somos milhões”, ressaltou.

Aprenda a investir na bolsa

Aécio ainda assumiu um compromisso de “permanecer firme no exercício da oposição e na defesa de um país honesto, digno e justo”. Aécio invocou a memória do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, morto em agosto em um acidente aéreo, e de seu avô, Tancredo Neves: “faço aqui duas convocações, homenageando dois grandes brasileiros: ‘não vamos desistir do Brasil!’, nos disse Eduardo Campos e ‘Não vamos nos dispersar!’, nos disse Tancredo Neves”.

Confira o vídeo de Aécio Neves:

Marina Silva destacou que “o Brasil está dividido” e que a sociedade brasileira “exige mudanças”. Ela também cumprimentou Dilma pela reeleição e Aécio Neves “pela sua determinação na campanha”. Após o link para o vídeo, você pode conferir a íntegra do pronunciamento. 

Leia a íntegra do pronunciamento de Marina Silva:

PUBLICIDADE

“Encerramos neste domingo um período eleitoral muito difícil e duro. Apesar de todos os nossos esforços, o discurso de desconstrução e intolerância cultivado nos longos anos de polarização política dominou a campanha. O Brasil está dividido e a principal obrigação das lideranças, tanto dos vencedores quanto dos derrotados nas urnas é reencontrar novos caminhos para a união e o entendimento em torno de uma agenda estratégica para os reais interesses do país, acima de nossas diferenças, com base em programas.

Quero cumprimentar a presidente Dilma Rousseff pela sua reeleição e desejar que seu governo atenda as melhores expectativas da sociedade brasileira, que exige mudanças, como ela mesma reconheceu em seu discurso de vitória. Mudanças que saiam do discurso para a prática, nos processos, nas escolhas, e, principalmente nas atitudes. Mudanças para melhorar a qualidade das relações políticas e da governança do estado, para a prevenção e combate institucional da corrupção. Para a escuta interessada dos diversos setores da sociedade, que clamam por mais qualidade nos serviços públicos, em saúde, segurança, mobilidade, educação e proteção ao meio ambiente. Para dar atenção justa e verdadeira aos direitos das populações tradicionais indígenas e quilombolas, para institucionalizar as conquistas sociais, afim de que sejam tratadas como direitos e não como favores deste ou daquele governo.

Cumprimento também o senador Aécio Neves pela sua determinação na campanha e desejo que seu trabalho seja orientado pelos sonhos contidos na expressiva votação que recebeu e, também, pelos compromissos socioambientais que ele incorporou e é justamente para essa agenda do presente e do futuro que desejo chamar a atenção.

O governo que se reelege não conta com prazos longos, desde já precisa dar sinais de mudança na condução da economia para superar uma crise que ameaça se agravar com a estagnação e a volta da inflação. Precisa também dar sinais na condução da política, que com reforma ou sem reforma, precisa abandonar a prática de distribuir pedaços do estado e privatizá-lo em nome de uma suposta governabilidade.

Agora que a eleição passou, certamente a presidente Dilma irá adotar em seu governo medidas que atacou em sua campanha. Não é menos urgente dar atenção às mudanças climáticas e ao aquecimento global. Os líderes políticos de todos os partidos, do governo e da oposição, devem reconhecer que meio ambiente não é uma parte incômoda das políticas públicas, é a base da sobrevivência de todos.

O desenvolvimento sustentável permanece sendo muito mais que nossa utopia, é critério para a prática, o sentido de nossa ação política. É por essa agenda que permanecemos atentos e ativos, por ela valeu a pena participar de uma campanha tão difícil e enfrentar toda a agressividade do marketing selvagem, um marketing baseado na mentira. Agora, pelo futuro sustentável que sonhamos construir, dirijo aos meus companheiros e a todos os brasileiros e brasileiras, a velha persistente saudação de sempre. A luta continua, não vamos desistir do Brasil.”