Em três anos, gasto médio dos consumidores nos shoppings cresce 31%

De acordo com pesquisa do Ibope Inteligência, entre 2006 e 2009, o gasto médio com compras subiu de R$ 107 para R$ 140

SÃO PAULO – Andar pelo shopping deixou de ser mero passeio. Cada vez mais os consumidores deixam de olhar apenas as vitrines e entram nas lojas para efetuar a compra. Com o aumento sucessivo da renda e da confiança, os consumidores estão gastando mais nos centros de consumo.

De acordo com levantamento do Ibope Inteligência, do Grupo Ibope, entre 2006 e 2009, o gasto médio do consumidor nos shoppings com compras subiu de R$ 107 para R$ 140, um aumento de 31%, em valores corrigidos pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Ampliado).

Em três anos, a quantidade de pessoas que vão ao shopping e efetuam uma compra também cresceu, de 40% para 45%.

Gastos com alimentação subiram mais

PUBLICIDADE

Segundo o Ibope, em três anos, o gasto médio dos consumidores nas praças de alimentação dos shoppings cresceu 53%. Em 2006, o gasto médio era de R$ 15, passando neste ano para R$ 23.

Entre os consumidores que visitam os shoppings, 39% gastam nas praças de alimentação. Em 2006, 35% fizeram uma refeição durante a visita.

Renda mais elevada estimula gastos

Para a instituição, os gastos cresceram com o aumento da renda do consumidor. Em 2006, 27% dos consumidores de shoppings pertenciam à classe A, Já em 2009 30% dos que frequentam os centros de consumo pertencem a este segmento da população.

Os consumidores que pertencem à classe B representam 49%; em 2006 eram 44%. Enquanto cresce o número dos consumidores de shopping pertencentes aos segmentos de renda mais elevada, caiu, em três anos, aqueles que pertencem à parcela de baixa renda. Hoje, os consumidores da classe C representam 21% dos consumidores de shopping. Em 2006, eram 29%.

Shoppings representam 21% do varejo

Ainda segundo o levantamento, os shoppings têm ganhado cada vez mais representatividade no setor de varejo. Hoje, o faturamento desses centros representa 21% do faturamento total do setor. Esse percentual, segundo o Ibope, pode chegar a 40%.

Para o diretor de atendimento e planejamento do Ibope Inteligência, Antônio Carlos Ruótolo, o perfil do consumidor pode fazer com que o desempenho dos shoppings cresça ainda mais. “Setenta por cento do sucesso de uma loja é definido principalmente pela sua localização, isto é, pelo potencial do mercado local e perfil do consumidor”.