Em novo depoimento, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro fala por mais de 9 horas à PF

Foi o 7º depoimento do tenente-coronel Mauro Cid, que fez delação premiada; depoimento começou por volta das 15h e acabou depois da 0h desta terça

Fábio Matos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) e seu ajudante de ordens, o tenente-coronel Mauro Cid (Foto: Alan dos Santos/Presidência da República)
O presidente Jair Bolsonaro (PL) e seu ajudante de ordens, o tenente-coronel Mauro Cid (Foto: Alan dos Santos/Presidência da República)

Publicidade

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), prestou um novo depoimento à Polícia Federal (PF), na segunda-feira (11), no âmbito do inquérito que investiga uma suposta tentativa de golpe de Estado no Brasil.

A oitiva com Mauro Cid durou mais de 9 horas. O militar começou a ser ouvido pelos policiais por volta das 15 horas e encerrou seu depoimento pouco depois da meia-noite desta terça-feira (12).

Mauro Cid é considerado colaborador das investigações sobre a eventual participação de Bolsonaro, ex-ministros de Estado e militares em uma suposta tentativa de golpe após as eleições presidenciais de 2022, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Continua depois da publicidade

Pelo menos até o momento, Cid não é investigado no caso. O tenente-coronel fechou um acordo de delação premiada com a PF, em setembro do ano passado, e desde então vem fornecendo informações que podem contribuir com as investigações.

Foi o sétimo depoimento de Mauro Cid à PF desde maio de 2023. Nos três primeiros, o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro permaneceu em silêncio, mas nos quatro últimos falou por 2 horas, 10 horas, 12 horas e 9 horas, respectivamente.

Os investigadores buscam mais informações sobre a reunião ministerial promovida por Bolsonaro em julho de 2022, a três meses da eleição, na qual o então presidente teria instigado seus ministros a questionar o processo eleitoral.

Continua depois da publicidade

Leia também:
Em depoimento, ex-comandantes implicam Bolsonaro em suposta tentativa de golpe
Fala na Paulista sobre “minuta do golpe” implica ainda mais Bolsonaro, dizem fontes

A PF também pretendia colher informações sobre a suposta tratativa entre Cid e Rafael Martins de Oliveira, major das Forças Especiais do Exército, a respeito do pagamento de R$ 100 mil. De acordo com a investigação, o dinheiro seria usado para financiar despesas de manifestantes em Brasília que teriam participado do 8 de Janeiro de 2023.

Segundo as apurações da PF, militares da ativa e integrantes do governo Bolsonaro deram “suporte material e financeiro para que as manifestações antidemocráticas permanecessem mobilizadas, visando garantir uma falsa sensação de apoio popular à tentativa de golpe”.

Continua depois da publicidade

A PF também apura os desdobramentos da delação sobre as reuniões que trataram da “minuta do golpe”. Mensagens obtidas pela PF, de Cid para Marco Antônio Freire Gomes, ex-comandante do Exército, indicam que o ex-presidente teria mexido no texto do suposto decreto.

Segundo as investigações, inicialmente o texto previa a realização de novas eleições e a prisão dos ministros Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), além do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Bolsonaro teria mexido no texto e deixado apenas Moraes na lista de presos.

Operação Tempus Veritatis

No início de fevereiro, a PF deflagrou a Operação Tempus Veritatis, que investiga a existência de uma organização criminosa que teria atuado em uma tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito para manter Bolsonaro no poder após a derrota para Lula em 2022.

Continua depois da publicidade

Na ocasião, foram cumpridos 33 mandados de busca e apreensão, quatro de prisão preventiva e 48 medidas cautelares diversas da prisão, que incluíram a proibição de manter contato com os demais investigados e de se ausentarem do país, com entrega dos passaportes no prazo de 24 horas e suspensão do exercício de funções públicas.

Segundo a corporação, “as apurações apontam que o grupo investigado se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas eleições presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital”.

Em tese, os fatos investigados configuram crimes de organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”