Mais apoios

Em meio a “racha”, Aécio Neves recebe apoio do PMDB no Rio de Janeiro

Partido é a legenda do governador Luiz Fernando Pezão, que apoia publicamente a reeleição de Dilma Rousseff; pré-candidato do PSDB recebe o apoio de mais oito partidos

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, recebeu na última quinta-feira (6) apoio dos diretórios de nove partidos no Rio de Janeiro, entre eles o PMDB, legenda do governador Luiz Fernando Pezão. O governador fluminense apoia publicamente a reeleição da presidente Dilma Rousseff e não compareceu ao megaevento organizado pela dissidência do PMDB, assim como o ex-governador Sérgio Cabral. 

Durante o evento que selou o apoio, foi proposta a aliança informal pela eleição do tucano e a reeleição de Pezão, chapa batizada de Aezão, uma junção dos nomes de cada um dos candidatos.

Declararam apoio a Aécio os diretórios de PP, Solidariedade, PSD, PPS, PTC, PMN , PEN , PSL e PMDB. Muitas dessas siglas, casos de PMDB, PSD e PP, compõem a base de apoio a Dilma em âmbito nacional.

PUBLICIDADE

“Participo aqui da largada da vitória e esse é o evento mais expressivo da minha campanha”, disse o tucano, que não retribuiu , pelo menos por enquanto, seu apoio à reeleição de Pezão. PSDB e DEM tem alianças em vários Estados, e, Aécio aguarda um posicionamento do partido para se manifestar. 

“Meu partido está discutindo isso com o Democratas, PPS e nos próximos dias vamos definir como o PSDB vai participar da campanha”, disse Aécio, que em seu discurso não citou o nome de Pezão.

“Pezão é meu amigo de muitos anos, honrado e tem todas condições de vencer as eleições”, afirmou.

O evento ratifica uma ruptura do PMDB local com a direção nacional do partido. O vice-presidente da República, Michel Temer, é presidente licenciado do PMDB e defende a manutenção do apoio do partido a Dilma.

A ala do PMDB fluminense que apoia Aécio é comandada pelo presidente regional da legenda, Jorge Picciani. Nas últimas eleições, PMDB e PT estiveram juntos numa parceria em que o PMDB local tinha candidato próprio ao governo do Estado. A dissidência do partido ganhou forças após o PT confirmar a futura candidatura do senador Lindbergh Farias (PT) ao governo do Rio, enquanto o PMDB cobrava reciprocidade no Estado pelo apoio nacional. 

Na entrada do evento, havia banners com fotos de Aécio e Pezão, sendo que até o logo “Ae + zão” foi criado. 

Vale ressaltar que a última pesquisa Datafolha, divulgada nesta sexta-feira (6), mostrou uma queda de um ponto percentual nas intenções de voto de Aécio, para 19%, enquanto Dilma Rousseff caiu 3 pontos e Eduardo Campos (PSB), registrou a maior queda, de 4 pontos percentuais, para 7%. 

(Com Reuters)