RADAR INFOMONEY AO VIVO Petrobras (PETR4) sobe com petróleo, vacinas e redução de dívida; veja perspectivas para as ações

Petrobras (PETR4) sobe com petróleo, vacinas e redução de dívida; veja perspectivas para as ações

Ministro

Em entrevista, Jaques Wagner admite que erros do Dilma I contribuíram para a crise atual

O ministro ainda avaliou como correta a a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no Ministério da Fazenda e afirmou que a dose que o antecessor aplicou (na economia), "no lugar de ser remédio, virou veneno"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em entrevista para a Rádio Metrópole, de Salvador, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, admitiu nesta terça-feira que parte dos problemas econômicos enfrentados pelo país, com inflação superando os dois dígitos, retração da economia e alta do desemprego, foi provocada por medidas adotadas no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff. As informações são do jornal O Globo

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia InfoMoney clicando aqui!

“Nós (governo) perdemos receitas, além de erros que foram cometidos em 2013, 2014, como desoneração (tributária) exagerada, programas de financiamento que foram feitos num volume muito maior do que a gente aguentava e que, portanto, quando a gente abriu a porta de 2015, você estava com uma situação fiscal… Por isso que o ano foi tão duro”, avaliou.

Aprenda a investir na bolsa

O ministro ainda avaliou como correta a a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no Ministério da Fazenda. “Ele (Levy) estava num processo de desgaste na relação com o governo e o Congresso. É uma pessoa de boa fé, que conhece o riscado, mas veio com uma linha muito dura, sem diálogo, e as coisas não funcionam assim. Acho que a dose que o Levy aplicou (na economia), no lugar de ser remédio, virou veneno”. 

Wagner avalia Barbosa como “mais formulador e aberto ao diálogo” que o seu antecessor. “Acho que ele (Barbosa) tem uma visão mais geral da economia. O Levy tinha uma visão muito específica do livro-caixa, do cofre, então ele estava obcecado por aquilo ali. Não acho que (a troca) é seis por meia dúzia”.

 O governo, segundo ele, deve buscar “um ponto de equilíbrio entre uma rota de crescimento e a manutenção da responsabilidade fiscal”.