Em discurso no plenário, Renan Calheiros renuncia à presidência do Senado

Senador disse que não renunciou no início da crise porque iria sugerir a aceitação das "infâmias e inverdades" contra ele

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após seis meses de denúncias, o senador Renan Calheiros renunciou na tarde desta terça-feira (4) à presidência do Senado. Em discurso, lido da tribuna do plenário, o parlamentar disse que não pediu a renúncia no início da crise porque poderia estar sugerindo uma aceitação das “infâmias e das inverdades” contra ele.

A renúncia foi anunciada durante sessão de discussão e votação de relatório do Conselho de Ética que recomenda a perda de mandato de Renan por quebra de decoro parlamentar, referente ao processo em que é acusado de ter usado laranjas para a compra de veículos de comunicação em Alagoas.

Sucessão

Pelo regimento do Senado, o presidente interino da Casa, Tião Viana, terá cinco dias para convocar novas eleições para o cargo. Por ser o maior partido, a vaga vai continuar com o PMDB. Viana já anunciou que reunirá os líderes partidários na próxima terça-feira (11) para tratar da sucessão.

PUBLICIDADE

O PMDB já tem pelo menos três nomes oficializados para suceder Renan na presidência da Casa. Além de Garibaldi Alves, primeiro que se declarou candidato, Neto Couto e Valter Pereira também devem disputar a vaga.

O líder do partido, Valdir Raupp, já marcou para quinta-feira (6) reunião da bancada para discutir e tentar um nome que seja, “de preferência”, consensual.