Em despedida do governo, Lula exalta obras, pré-sal e redução da desigualdade

Presidente destaca fim da dívida com FMI, ascensão da classe média e criação de empregos, e pede confiança em Dilma

SÃO PAULO – Em tom otimista e de despedida, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez seu último pronunciamento oficial na noite da última quinta-feira (23). Lula, que passa a faixa presidencial para Dilma Rousseff no início de janeiro, exaltou o crescimento econômico e social do País, “que mudou de patamar” e deu “espetáculos de crescimento e inclusão”.

Segundo o presidente, foi estabelecida uma nova dinâmica política, econômica e social no País, que agora tem um “encontro marcado com o sucesso”. Lula afirmou que seu governo fortaleceu a economia sem enfraquecer o social, enfocando tanto as evoluções da economia nos últimos anos quanto a ascensão da classe média.

Lula destacou ainda a sua trajetória até a presidência do País, além de criticar os governos anteriores. Segundo o presidente, uma “onda de fracasso” pairava sobre o Brasil, em meio a um governo que governava apenas para um terço da população.

PUBLICIDADE

Economia sólida
Os brasileiros, disse o presidente, trabalharam com entusiasmo e consumiram com responsabilidade, ajudando a formar uma das “economias mais sólidas e um dos mercados internos mais vigorosos do mundo”.

Lula afirmou que o ganho real do salário mínimo em seus oito anos de mandato foi de 67%. A oferta de crédito, por sua vez, alcançou 48% do PIB (Produto Interno Bruto), um recorde. O presidente estimou um crescimento recorde do PIB em 2010, de cerca de 8%, explicando que a taxa média anual de crescimento dobrou.

Uma das prioridades em seu governo – e outro recorde – foi a geração de emprego, que somou 15 milhões e colocou o País “em um ciclo de pleno emprego”.

Essa pujança brasileira, continuou Lula, é demonstrada ao mundo através das obras e projetos em andamento no País, como as hidrelétricas de Jirau e Belo Monte e as refinarias em Pernambuco, Maranhão, Ceará e Rio de Janeiro, além de estradas com “rotas estratégias” e ferrovias como a Norte-Sul e a Transnordestina.

Pré-sal e social
Lula destacou ainda os investimentos no setor de petróleo e gás, “os maiores do mundo” no segmento, que ganharam força a partir da descoberta do pré-sal, classificado pelo presidente como “nosso passaporte para o futuro”.

“ Ele [o pré-sal] vai gerar milhões de empregos e uma riqueza que será obrigatoriamente aplicada no combate à pobreza, na saúde, na educação, na ciência e tecnologia, na cultura e na defesa do meio ambiente”, disse o presidente.

PUBLICIDADE

Lula falou sobre os programas de transferência de renda e assistência social do governo, com foco no Bolsa Família, benefício concedido a cerca de 13 milhões de famílias. O Luz para Todos e o Minha Casa, Minha Vida também ganharam destaque.

Reservas internacionais e soberania brasileira
O presidente também destacou a soberania brasileira e a quitação da dívida com o FMI (Fundo Monetário Internacional). “Temos quase US$ 300 bilhões de reservas internacionais próprias, 10 vezes mais do que no início do nosso governo”, disse.

Confiança em Dilma
O presidente também aproveitou para pedir confiança em sua sucessora, Dilma Rousseff – do primeiro operário presidente à primeira mulher presidente, nas palavras de Lula. Ele exaltou a eleição livre e democrática, que consolida o Brasil como “uma das maiores democracias do mundo”.

Lula disse acreditar na competência de Dilma, que “conhece como ninguém o que foi feito e sabe como fazer mais e melhor”. “Apóiem Dilma, assim como me apoiaram sempre. Isso também significa cobrar na hora certa”, afirmou.

Despedida
Por fim, o presidente se despediu da população afirmando que vai “viver a vida das ruas”, sendo “um homem do povo mais do que nunca”.

“ Não me perguntem sobre o meu futuro, porque vocês já me deram um grande presente. Perguntem sim sobre o futuro do Brasil, e acreditem nele, porque temos motivo de sobra para isso”, disse Lula.