Em debate promovido pela Folha/UOL, candidatos intensificam os ataques

Marina Silva também elevou o tom ao alfinetar políticas do PSDB e PT; temas de destaque foram carga tributária, saneamento e educação

SÃO PAULO – No debate entre os presidenciáveis promovido pela Folha e pelo portal UOL nesta quarta-feira (18), o tom foi de ataques mútuos. José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) protagonizaram boa parte dos confrontos em temas como educação, carga tributária e saneamento.

Até mesmo Marina Silva, candidata pelo PV, partiu para a briga. Ela alfinetou as políticas do PSDB e do PT, e disse ver pouca diferença entre Dilma e Serra. De um lado, Marina criticou a gestão tucana da educação e, de outro, acusou a campanha da petista de tentar infantilizar o país, ao tentar atribuir “a maternidade ou a paternidade” de programas federais.

Marina preferiu não se pronunciar sobre quem apoiaria no segundo turno, caso perca na primeira fase, e emendou uma fala provocadora: “não encontro muita diferença entre o governador Serra e a ministra Dilma. Ambos são bons gerentes. Ambos são muito bons na esgrima. Mas não foram capazes de atualizar seus pensamentos”.

PUBLICIDADE

Carga tributária
No debate sobre carga tributária, Serra trouxe mais uma vez à tona dados que indicam que o Brasil possui a maior carga tributária entre países desenvolvidos, e comparou-os aos investimentos do Estado. Segundo ele, o País possui o “governo que menos investe no mundo”.

Dilma rebateu as acusações, dizendo que elas são baseadas em números desatualizados, de 2008. “É bom você se atualizar e ver se essa afirmação tem consistência”, disse a petista. Ela aproveitou a oportunidade para citar políticas de reduções de impostos no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

“Na última crise, reduzimos o IPI de automóveis, da linha branca e da construção civil. Fizemos todo um esforço tributário para manter a economia funcionando”, disse a ex-ministra. Ela criticou ainda a gestão de FHC, citando que os padrões econômicos de indexação do dólar ao real naquela gestão quebrariam a economia nacional durante a última crise se tivessem sido mantidos.

Saneamento
Na opinião de Serra, mesmo com a redução dos impostos anteriormente citados pela candidata adversária, o governo Lula elevou as taxas para o sanemento e o setor elétrico. Segundo ele, enquanto o PIS/Cofins aumentou de 3% para 7,6%, o imposto sobre energia elétrica subiu de 3,65% para 9,6%, e muito pouco foi feito com o dinheiro.

Dilma mais uma vez acusou o governo de FHC, desta vez por conta das origens dos problemas de saneamento no país. “Nós estamos botando R$ 40 bilhões (em saneamento), enquanto o governo do senhor Fernando Henrique Cardoso botava muito menos”, rebateu a petista.

Educação
O tema foi abordado por Marina Silva e José Serra, quando o ex-governador perguntou à candidata qual a importância, para ela, do ensino técnico. 

PUBLICIDADE

“Ensino técnico e profissionalizante é importante, mas é fundamental que façamos uma atualização de conteúdos, sair dessa situação vergonhosa que temos no país”, atacou Marina. Segundo ela, o PSDB, que ocupa há 20 anos a gestão do governo de São Paulo, negligencia historicamente o tema no estado, que deveria ocupar uma posição de vanguarda no assunto.

Em resposta, Serra propôs soluções tanto para São Paulo, quanto a nível federal. Entre as sugestões, citou a criação da Protec, um programa semelhante ao ProUni, mas destinado ao ensino técnico. “Vou aumentar em 1 milhão de vagas no setor público em 4 anos no ensino técnico, além dos estudantes do Protec. Aqui em São Paulo promoveremos um crescimento acelerado. Tem mais alunos no estado do que na União”, disse o tucano.