Implicado na Lava Jato

Em carta, ministro Henrique Alves pede demissão “em prol do bem maior”

Implicado na Lava Jato, ministro pediu sua saída; em delação Sérgio Machado disse em delação que repassou propina, via doação oficial, para Alves

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Implicado na Lava Jato, o ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves pediu demissão do cargo na tarde desta quinta-feira (16), de acordo com a Secretaria de Comunicação da Presidência. Segundo informações da Folha, ele afirmou que não gostaria de criar constrangimentos ao presidente interino Michel Temer.

Em delação premiada, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, listou o nome de 20 políticos que teriam recebido propina, incluindo o nome de Alves. Machado afirmou que repassou propina para o político via doação oficial. 

Em declarações pelo Twitter, Alves repudiou o envolvimento de seu nome na delação: “repudio com veemência a irresponsabilidade e leviandade das declarações desse senhor”. De acordo com ele, suas relações “são pautadas pela ética e respeito institucional”. “Nunca pedi qualquer doação ilícita para empresário ou quem quer que seja”, afirmou. “Como presidente de partido, eventuais pedidos de doações que eu tenha feito foram para as campanhas municipais sempre obedecendo a lei”.

PUBLICIDADE

Alves é alvo de pedido de investigação pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no âmbito da Lava Jato. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou em pedido de abertura de inquérito contra ele que recursos negociados por Alves e o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com a OAS “adviriam do esquema criminoso montado na Petrobras e que é objeto do caso Lava Jato”.

Confira na íntegra a carta enviada pelo ministro:

O momento nacional exige atitudes pessoais em prol do bem maior. O PMDB, meu partido há 46 anos, foi chamado a tirar o Brasil de uma crise profunda. Não quero criar constrangimentos ou qualquer dificuldade para o governo, nas suas próprias palavras, de salvação nacional. Assim, com esta carta entrego o honroso cargo de Ministro do Turismo.

Estou seguro de que todas as ilações envolvendo o meu nome serão esclarecidas. Confio nas nossas instituições e no nosso Estado Democrático de Direito. Por isso, vou me dedicar a enfrentar as denúncias com serenidade e transparência nas instâncias devidas.

Pensei muito antes de tomar esta difícil decisão, porque acredito que o Turismo reúne as melhores condições para ajudar o Brasil a enfrentar o momento difícil que vive. Esta foi a motivação que me levou a voltar ao comando do Ministério depois de tê-lo deixado por uma questão política, de coerência partidária.

Acredito ter honrado os desafios do setor no pouco mais de um ano que estive no Ministério do Turismo. Registramos conquistas importantes como a isenção de vistos para países estratégicos durante a Olimpíada e Paralimpíada, a redução do imposto de renda para o turismo internacional e a execução de obras de infraestrutura turística em todas as regiões, para citar alguns exemplos.

Presidente Michel, agradeço à sua sempre lealdade, amizade e compromisso de uma longa vida política e partidária, sabendo que sempre estaremos juntos nessa trincheira democrática em busca de uma nação melhor. A sua, a minha, a nossa luta continuam. Pelo meu Rio Grande Norte e pelo nosso Brasil.

Respeitosamente,

Henrique Eduardo Alves