RADAR INFOMONEY Hering (HGTX3) sai do básico com plano ousado para 2021. Vai funcionar?

Hering (HGTX3) sai do básico com plano ousado para 2021. Vai funcionar?

Num governo Temer

Em acordo, Cunha pode se livrar da cassação se renunciar ao cargo, dizem jornais

Acordo ocorreria após Michel Temer assumir o governo em caso de impeachment de Dilma; ele deixaria a presidência da Câmara

SÃO PAULO – Depois do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff parecer cada vez mais fortalecido com a saída iminente do PMDB do governo, agora a questão passa a ser outra: o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Segundo informa a coluna de Mônica Bergamo da Folha de S. Paulo, começa a ser alinhavado um acordo para livrar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da cassação, caso o vice-presidente Michel Temer assuma o governo. 

A colunista destaca que Cunha renunciaria à presidência da Câmara dos Deputados sob o argumento de que o novo governo precisaria articular nova maioria no parlamento. O parlamentar seria suspenso pelo conselho de ética, mas manteria o cargo, garantindo o foro privilegiado. A cassação é a pena máxima que o Conselho de Ética pode lhe conferir. Contudo, o acerto só será possível se o STF (Supremo Tribunal Federal) não atender ao pedido da Procuradoria Geral da República, que defende que Cunha seja afastado do cargo.

Conforme informa o jornal O Estado de S. Paulo, Cunha continua negando com veemência a possibilidade de renunciar. “Óbvio que não. Menor possibilidade. Chance zero” afirmou. Porém, segundo o Estadão, o cargo inclusive entra nas negociações de apoio ao eventual governo do atual vice-presidente da República, Michel Temer, em caso de impeachment de Dilma. O deputado Rogério Rosso (PSD-DF), atual presidente da comissão do impeachment, é um dos cotados, por circular bem por todos os grupos do Parlamento, característica que interessa a Temer. 

Especiais InfoMoney:

As novidades na Carteira InfoMoney para março

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa