Eleições: programa usado em urnas eletrônicas contará com senha

Para ministro do TSE, código é segurança de que o programa não será modificado. Especialistas discordam de medida

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O programa utilizado nas urnas eletrônicas contará com uma senha, para que não seja modificado durante as eleições. A decisão foi divulgada na última quinta-feira (31), pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio.

Para o ministro, o sistema é totalmente seguro. “Se ventila que pode haver deficiências no sistema, mas não se indica com precisão que deficiências são estas. Nós devemos presumir o que normalmente ocorre, não o excepcional. Não que todos sejam salafrários, existem homens do bem”, disse Aurélio.

Divergências

Especialistas de computação afirmam que a senha não é suficiente para garantir segurança de dados do sistema. A melhor maneira para evitar fraudes seria a emissão de um comprovante de voto, depois depositado em uma outra urna, para recontagem.

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com o professor de computação da Universidade Federal de Campinas (Unicamp), Jorge Stolfi, o TSE coloca que a entidade é confiável, o que não está em questão. “O perigo é que alguém se infiltre no TSE ou na empresa fabricante da urna e altere o programa”.

Sistema

O ministro considera o sistema confiável e afirmou que, desde 1996, quando as urnas eletrônicas foram introduzidas nas eleições do País, não houve indício concreto de irregularidade.

Até a próxima sexta-feira (08), o programa de computador usado na urna começará a funcionar e será enviado aos Tribunais Regionais Eleitorais. Os dados dos candidatos serão depositados no dia 11 deste mês. Serão 400 mil urnas em todo o Brasil e 30 mil em reserva.