Eleições e Copa do Mundo devem estimular as vendas dos eletroeletrônicos

Fabricantes prevêem crescer 19% em 2006, sob os efeitos dos dois eventos. Para 63% deles, classe C será a maior compradora

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os fabricantes de produtos eletroeletrônicos de consumo prevêem crescer 19% em 2006, sob os efeitos das eleições.

Quase metade das empresas (42,11%) acredita que o impacto será positivo devido a medidas que deverão ser tomadas pelo governo para melhorar sua imagem junto à população, tal como a redução mais acelerada das taxas de juros.

Os dados são de uma pesquisa realizada pela Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos).

Otimistas

Aprenda a investir na bolsa

Entretanto, 36,84% das empresas acreditam que as eleições vão gerar insegurança no mercado e afetarão o humor dos consumidores. Contudo, mesmo os que prevêem efeitos negativos por conta da insegurança acreditam que eles serão temporários e pontuais.

“O resultado da pesquisa mostra que há dúvidas sobre como o cenário político vai influenciar o mercado consumidor. Mas o cenário econômico positivo, de queda nas taxas de juros e aumento do salário mínimo, entre outros pontos, ainda é o fator preponderante nas projeções da indústria em 2006”, observa Paulo Saab, presidente da Associação.

Os bons resultados registrados no primeiro trimestre indicam que, no acumulado do ano, as vendas deverão crescer e minimizar as possíveis alterações de humor do mercado de consumo.

Copa do Mundo

A Copa do Mundo será um ponto importante para o desempenho do setor eletroeletrônico, ainda que seu impacto esteja mais restrito aos fabricantes de televisores. Segundo o estudo, todos os fabricantes destes aparelhos estimam incrementar as vendas por conta do evento.

Dentre as empresas que prevêem se favorecer com o mundial, 21% projetam um aumento das vendas de até 10%. No segmento de portáteis, os produtos com maior potencial de crescimento em vendas são os liquidificadores, batedeiras e ventiladores, lavadoras de roupa, geladeiras e fogões.

Classe C

PUBLICIDADE

Para 63% dos fabricantes de eletroeletrônicos, as vendas deverão crescer mais fortemente junto aos consumidores da classe C. O crédito mais acessível, resultado da queda nas taxas de juros, e a recuperação do poder de compra são os fatores que estão favorecendo a troca de eletroeletrônicos nesse segmento.

De acordo com Saab, verifica-se também uma tendência dessa classe adquirir produtos mais caros ou sofisticados, como tvs de 29 polegadas. Outro ponto de destaque é o interesse desses consumidores por produtos que trazem inovações tecnológicas.

O interesse crescente pelos televisores de LCD e plasma também está levando as indústrias a iniciar a produção no País. A estimativa de 37% dos fabricantes de televisores é de que, até 2007, mais de 20% dos aparelhos serão produzidos no país, o que deverá contribuir para a redução dos preços.