Inflação

É “patético” dizer que vai ter congelamento, afirma Guedes

Para ministro, comparação “é fantasma de tolices feitas no passado”

Por  Estadão Conteúdo -

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comentou, nesta terça-feira (14), a aprovação no Senado Federal do projeto de lei complementar (PLP) 18/2022, que limita a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre alguns itens, como combustíveis e energia. O projeto ainda volta à Câmara dos Deputados.

Guedes refutou a ideia de que o pacote de redução de tributos sobre os combustíveis seja congelamento de preços. Na semana passada, Guedes apoiou pedido do presidente da República, Jair Bolsonaro, para que o setor de supermercados segure os preços em evento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) para que o setor segure os preços.

“É patético dizer que vai ter congelamento, é fantasma de tolices feitas no passado. Reduzimos a cunha fiscal”, disse o ministro.

Guedes argumentou que a medida proposta pelo governo, em conjunto com a redução anterior do IPI, visa a dar uma “margem de folga” para que, mesmo que ocorram aumentos de custos, tenha uma gordura para “não ficar reajustando toda hora”. “Se quiser fazer bem, se não quiser, que se dane”, completou.

Reorganização das cadeias globais

O ministro da Economia voltou a defender as oportunidades para o País do nearshoring, reorganização das cadeias globais com objetivo de produção mais próxima da comercialização. Mas disse que isso não é suficiente, é preciso a reindustrialização do Brasil. “O Brasil está perto e é amigo de países do Ocidente e Oriente.”

Guedes também disse que o Brasil “está se movendo para frente”, citando a privatização da Eletrobras e também a perspectiva de desestatização do Porto de Santos.

Guedes participa da abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2022, promovido pela Apex Brasil. Também participam da abertura o presidente Jair Bolsonaro, o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, e o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Mauricio Claver-Carone.

Compartilhe