Novo prefeito de SP

Doria se veste de gari e afirma: vai limpar as ruas de São Paulo todas as semanas

Nesta manhã, o prefeito e secretários foram para a praça 14 Bis, no centro da cidade - ele chegou ao local às 5h49, vestido de gari, ficando por lá até as 7h05.

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Na manhã desta segunda-feira, um dia após ser empossado prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) cumpriu a promessa e se vestiu de gari. Ele  afirmou que vai se vestir dessa maneira e limpar as ruas da cidade todas as semanas até o fim de sua gestão. “Todas as semanas em quatro anos. Podem anotar, registrar. E olha, acordem cedo, hein!”, afirmou aos jornalistas. 

“Bom dia São Paulo que amanhece trabalhando! Estou na Praça 14 Bis, ao lado dos 22 secretários e dos 32 prefeitos regionais desde as 5h30, dando início ao programa Cidade Linda. Esse é o primeiro dia de uma gestão incansável em busca de uma cidade digna”, disse Doria pelo Facebook. 

Nesta manhã, o prefeito e secretários foram para a praça 14 Bis, no centro da cidade. Ele chegou ao local às 5h49, vestido de gari, ficando por lá até as 7h05.

Aprenda a investir na bolsa

Doria gari

Em sua posse, no último domingo, Doria afirmou que a prioridade de seu governo serão os pobres. “A prioridade serão os mais humildes e mais pobres dessa cidade. Não se esqueçam. A partir de hoje, essa é a nossa prioridade”, disse. Ele afirmou ainda que não irá se candidatar à reeleição. “Não sou favorável. Não disputarei”, falou.

Após tomar posse na Câmara, Doria participou de uma cerimônia de transmissão de cargo no Theatro Municipal, junto com o vice-prefeito Bruno Covas (PSDB), o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) e o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). Ao chegar ao local, o novo prefeito foi bastante aplaudido pelo público presente.

Segundo Doria, sua gestão será humilde, corajosa e austera e o seu governo será aberto, conciliador e transparente. ““Será um governo capaz de ouvir a opinião de todas as pessoas. Governaremos para todos, os que nos elegeram e os que não nos elegeram. Será uma gestão conciliadora”, disse.

(Com Agência Brasil)