Disputa presidencial

Doria é tucano mais forte e tira votos de Bolsonaro; Lula lidera corrida por 2018, diz pesquisa

A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos

SÃO PAULO – O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), aparece melhor posicionado de seus colegas de partido Aécio Neves (MG) e Geraldo Alckmin (SP) em uma eventual disputa pelo Palácio do Planalto nas eleições de 2018. É o que revela pesquisa de intenções de voto realziada pelo DataPoder360. Além disso, no cenário em que o candidato tucano é o ex-apresentador, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) perde parte da preferência do eleitorado.

O levantamento, divulgado nesta quarta-feira (19), é o primeiro realizado pelo instituto após as novas revelações das delações de Odebrecht. A pesquisa simulou três cenários de primeiro turno com Doria, Aécio e Alckmin concorrendo sempre com os mesmos candidatos: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Jair Bolsonaro, Marina Silva (Rede-AC) e Ciro Gomes (PDT-CE). O petista lidera nas três situações.

No primeiro cenário, Lula aparece com 25% das intenções de voto, seguido por Jair Bolsonaro, com 14%, e Doria, 13%, ambos empatados em segundo lugar. Na sequência, aparecem Marina, com 9%, e Ciro, com 5%. Do total de entrevistados, 26% disseram que votariam em branco ou nulo e 7% não souberam ou não quiseram responder.

PUBLICIDADE

Quando o nome do PSDB é o de Aécio, o tucano aparece em quarto lugar. Lula teria 25% da preferência do eleitorado, seguido por Bolsonaro, com 19%, Marina, com 11%, o tucano foi citado por 7% dos entrevistados, e Ciro, por 4%. Do total de entrevistados, 27% votariam em branco ou nulo e 8% não souberam ou não quiseram responder.

Com Alckmin, o PSDB teria um desempenho parecido com o de Aécio. Se as eleições fossem hoje, Lula teria 24% dos votos, Bolsonaro, 18%, Marina, 11%, Alckmin, 8%, e Ciro, 5%. Dos consultados pelo levantamento, 25% anulariam o voto ou votariam em branco e 9% não quiseram ou não souberam responder.

Metodologia

A pesquisa foi feita nos dias 16 e 17 de abril e teve 2.058 entrevistados com 16 anos de idade ou mais, em 217 cidades do País. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.