AO VIVO Especialista responde como a flexibilização trabalhista na pandemia afeta a sua vida; assista e mande suas perguntas

Especialista responde como a flexibilização trabalhista na pandemia afeta a sua vida; assista e mande suas perguntas

Bomba da JBS

Donos da JBS disseram às autoridades que receberam ameaças de morte

Com isso, eles foram autorizados a deixar o país e moram em Nova York

SÃO PAULO – Os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, disseram às autoridades brasileiras que receberam ameaças de morte. Deste modo, eles foram autorizados a deixar o país, segundo a TV Globo. Joesley e Wesley moram em Nova York, nos Estados Unidos.

Joesley possui  um apartamento na Quinta Avenida. Segundo o porteiro do prédio ouvido pela TV, o dono da JBS e a mulher dele teriam deixado o local com malas.

Os donos da JBS disseram em delação à Procuradoria-Geral da República que gravaram o presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), segundo o colunista do jornal “O Globo” Lauro Jardim.

PUBLICIDADE

Segundo o jornal, o executivo disse que Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Posteriormente, Rocha foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley.

Temer também ouviu do empresário que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Diante da informação, Temer incentivou: “Tem que manter isso, viu?”. Joesley disse também que pagou R$ 5 milhões para Cunha após sua prisão.

Além disso, Joesley afirmou ter gravado Aécio Neves pedindo R$ 2 milhões. O executivo relatou ainda que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega era o seu contato com o PT e era com ele que o dinheiro de propina era negociado para ser distribuído aos petistas e aliados. Mantega também operava os interesses da JBS no BNDES.