Comunicação errática

Documento do Planalto fala de “caos político” e defende mais propaganda em SP

O documento reservado do governo Dilma e que foi divulgado pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo destaca que a comunicação foi "errada e errática"

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O cenário político segue sendo destaque nesta quarta-feira (18). Além da repercussão da pesquisa Datafolha, que mostrou a aprovação da presidente Dilma Rousseff caindo 10 pontos percentuais desde fevereiro e chegando a 13%, o outro destaque é um documento preparado pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República, com um diagnóstico sobre a comunicação do governo Dilma Rousseff.

O documento reservado do governo Dilma e que foi divulgado pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo destaca que a comunicação foi “errada e errática”. Além disso, a análise da Secretaria vê um ambiente de “caos político” e lista erros estratégicos após a reeleição.

“Em qualquer caos político, há sempre um que aponte ‘a culpa é da comunicação’. Desta vez, não há dúvidas de que a comunicação foi errada e errática. Mas a crise é maior do que isso”, afirma o documento.

PUBLICIDADE

De acordo com o documento, o governo tem adotado uma comunicação “errática” desde a reeleição da presidente Dilma, afirma que seus apoiadores estão levando uma “goleada” da oposição nas redes sociais e aponta como uma saída para reverter o quadro pós-manifestações de 15 de março o investimento maciço em publicidade oficial em São Paulo, cidade administrada por Fernando Haddad e atualmente, a maior rejeição ao PT.

O texto, que seria de responsabilidade do ministro Thomas Trauman, é dividido em três partes: onde estamos, como chegamos até aqui e como virar o jogo?

O documento diz no terceiro capítulo que não será fácil virar o jogo, mas diz que a entrevista presidencial do dia 16 “foi um excelente início”, já que Dilma falou com firmeza sobre seu “compromisso com a democracia”, assumiu a necessidade de ajuste e assumiu falahas como na condução do Fies.