Ex-presidente

Dilma “sobra” em Minas e deve ficar fora de eleição ao Senado

Construção de alianças pela candidatura de Fernando Pimentel à reeleição deve envolver os dois assentos ao Senado, o que retiraria a ex-presidente da disputa

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Dias após o pontapé inicial de um processo de impeachment contra o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, na Assembleia Legislativa, a ex-presidente Dilma Rousseff viu-se mais distante de uma possível candidatura ao Senado pelo PT no estado. As informações são do jornal Valor Econômico.

Quer saber mais sobre o cenário político e como se aproveitar dele? Clique aqui e assine o Mapa Político

Segundo a publicação, em meio aos esforços do governador mineiro em construir uma rede de apoios para a reeleição, o espaço para uma candidatura da presidente cassada é cada vez menos provável. Pimentel vem tentando costurar alianças com MDB, PR, PV, PCdoB, PSDC, PRB e talvez PSB e PDT.

PUBLICIDADE

Com um esforço para a construção de uma ampla coalizão, o governador terá de negociar espaços. É o caso das duas vagas em disputa para o Senado, suplentes e a vice-governador. Caso Dilma se lance à disputa no Senado, a conta pode não fechar. Segundo pesquisas, a ex-presidente teria grandes chances de conquistar uma das vagas caso confirmasse a candidatura e superasse obstáculos jurídicos em função do impeachment.

Em abril, Dilma transferiu seu título eleitoral de Porto Alegre para Belo Horizonte, em uma movimentação que foi entendida como interesse em participar de uma disputa eleitoral em sua terra natal. O episódio geou desconforto entre potenciais aliados de Pimentel nas eleições estaduais, que viram risco de perder o direito à vaga no Senado.

O principal dos incomodados foi o deputado estadual Adalclever Lopes (MDB), presidente da Assembleia Legislativa de Minas, influente na bancada e até o momento aliado do governador. Sentindo-se ameaçado, o parlamentar, que aspirava uma das vagas ao Senado, abriu as portas para a tramitação do processo de impeachment contra Pimentel.

As expectativas são de que o pedido não seja aceito pela casa legislativa, mas o episódio pode abrir espaço para uma retomada do diálogo entre uma ala do MDB e o governador petista. Para isso, provavelmente Dilma terá de ficar de fora da corrida pelo Senado.

Quer saber mais sobre o cenário político e como se aproveitar dele? Clique aqui e assine o Mapa Político