Perfil

Dilma Rousseff: a 1ª “presidenta” do Brasil que terá mais 4 anos no poder

Mineira de Belo Horizonte, Dilma tem 66 anos e viveu grande parte de sua vida no Rio Grande do Sul, onde participou da criação do PDT; Dilma foi a primeira mulher a ser presidente e tem mais quatro anos de mandato

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Com 97,62% das urnas apuradas, a atual presidente da República, Dilma Rousseff (PT), tem 51,38% dos votos válidos e está matematicamente reeleita para o cargo. O candidato Aécio Neves (PSDB) tem 48,62% dos votos válidos até o momento.

Dilma Rousseff e seu partido, o PT, renovaram a coligação com o PMDB, mantendo o atual vice-presidente Michel Temer na chapa. Sete partidos fizeram parte da coligação Com a Força do Povo:  PDT, PCdoB, PR, PP, PRB, PROS e PSD. Com a coligação, Dilma quer ficar mais quatro anos no cargo e assim, levar o seu partido no poder por mais quatro anos, completando assim 16 anos do PT à frente da presidência da república. 

Mineira de Belo Horizonte, Dilma tem 66 anos e viveu grande parte de sua vida no Rio Grande do Sul, onde participou da criação do PDT. 

PUBLICIDADE

Lá, ela foi secretária municipal de Fazenda e estadual de Minas e Energia. Em Brasília, antes de chegar à Presidência da República, foi ministra de Minas e Energia (2003-2005) e da Casa Civil (2005-2010).

Nascida em família de classe média alta, Dilma passou a demonstrar interesse pelos ideais socialistas quando jovem, logo após o Golpe Militar de 1964. Dilma integrou organizações de esquerda que defendiam a luta armada contra o regime militar, como o Comando de Libertação Nacional (Colina) e a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). 

Passou quase três anos presa entre 1970 e 1972 e foi torturada nesse período por órgãos da repressão. Dilma foi expulsa da Universidade Federal de Minas Gerais, sendo impedida de retomar seus estudos naquela universidade em 1973, o que levou Dilma a prestar vestibular para Economia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Graduou-se em 1977, não participando ativamente do movimento estudantil.

Dilma reconstruiu a sua vida no Rio Grande do Sul onde, junto com o seu companheiro de mais de 30 anos, o advogado Carlos Araújo, ajudou na fundação do PDT e participou ativamente de diversas campanhas eleitorais. Carlos Araújo é pai de sua única filha, Paula.

Em 2002, participou da equipe que formulou o plano de governo de Luiz Inácio Lula da Silva para a área energética. No mesmo ano, foi escolhida para ocupar o Ministério de Minas e Energia. Em 2005, Rousseff foi nomeada ministra-chefe da Casa Civil, em substituição a José Dirceu, que renunciara ao cargo em meio ao escândalo do mensalão. No dia 31 de outubro de 2010, Dilma Rousseff foi eleita presidente do Brasil, cargo a ser ocupado pela primeira vez na história do país por uma mulher, contabilizando 56,05% dos votos válidos no segundo turno.